Grande Reportagem SIC

Pais à Vez

Carlos Rico

Carlos Rico

Jornalista

Diana Matias

Diana Matias

Produtora Editorial

Helena Peixoto

Produtora Editorial

Luís Dinis

Luís Dinis

Repórter de Imagem

António Soares

António Soares

Edição de Imagem

Octaviano Rodrigues

Octaviano Rodrigues

Pós-produção áudio

José Dias

José Dias

Colorista

Crianças a viver alternadamente com os pais e com as mães é uma tendência crescente entre os casais portugueses que se divorciam, mas, por norma, os filhos ainda ficam, maioritariamente, à guarda das mães. Para tentar alterar este quadro, a Associação para a Igualdade Parental apresentou uma petição na Assembleia da República que visa instituir o regime-regra da residência alternada. Só que a ideia não agrada a diversas associações ligadas, sobretudo a movimentos feministas. "Pais à Vez" é a Grande Reportagem desta quarta-feira.

Coordenação – Amélia Moura Ramos

Direção – Ricardo Costa

Mais reportagens na página da Grande Reportagem SIC

  • Lei do regime de residência alternada para filhos de pais divorciados longe do consenso
    2:39

    Grande Reportagem SIC

    A Assembleia da República prepara-se para discutir a introdução da lei do regime de residência alternada para filhos de pais divorciados. A iniciativa partiu da Associação para a Igualdade Parental que apresentou, em Junho, uma petição com mais de quatro mil assinaturas. No entanto, a ideia está longe de ser consensual, como se pode ver na Grande Reportagem "Pais à Vez".

  • Pais à Vez

    Grande Reportagem SIC

    O número de divórcios em Portugal não pára de crescer e é já o maior da Europa. De acordo com a Pordata, registaram-se mais de 24 mil divórcios em 2017, o que dá uma média de 70 por cada 100 casamentos. O divórcio é um momento dramático na vida dos casais e das respectivas famílias, com implicações relevantes no bem estar das crianças. A lei de 2008 foi um marco importante na fixação dos chamados regimes de responsabilidades parentais, que determinaram uma participação mais equitativa dos dois progenitores na vida, educação e bem estar dos filhos após a separação. O regime resultante da lei deixou em aberto a possibilidade dos filhos residirem alternadamente em casa de cada um dos pais, permitindo a manutenção dos vínculos e dos afetos mas, embora não existam dados estatísticos, percebe-se que a prática é outra. Os filhos são normalmente entregues aos cuidados da mãe, com a fixação de fins-de-semana alternados e 15 dias de férias com o pai.