País

O que pode fazer para saber se tem em casa produtos com goma de alfarroba contaminada 

BURCU ATALAY TANKUT

Rita Rogado

Rita Rogado

Jornalista

A Direção-Geral de Alimentação e Veterinária alertou esta semana para alguns produtos com goma de alfarroba contaminada com um pesticida cancerígeno.

O alerta chegou há mais de um mês à Europa, com os primeiros casos a serem detetados em Espanha e França. Mas "depressa se percebeu que era um problema de grande dimensão", reconhece a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV). Vários produtos, como gelados e queijos para barrar, com goma de alfarroba chegaram às prateleiras dos supermercados contaminados com um pesticida cancerígeno, óxido de etileno.

À SIC Notícias, a DGAV não revela a origem da goma de alfarroba contaminada. No entanto, garante que não foi produzida em países europeus. Ou seja, pode comprar bolinhos ou outros produtos feitos com goma de albarroba produzida em Portugal ou na Europa.

Se ficou preocupado, pode olhar para a lista de ingredientes. A goma de alfarroba aparece por escrito, como "goma de alfarroba", ou com o número (E410).

No entanto, nem todos os produtos com goma de alfarroba - um espessante e estabilizante de produtos alimentares - estão contaminados. Por isso, tem duas formas de perceber se tem um desses produtos:

  1. Pode ligar para a linha de apoio ao cliente da empresa que comercializa o produto. Tem o contacto disponível na embalagem;
  2. Pode dirigir-se ao estabelecimento comercial onde o comprou, que também o saberão informar se o produto pertence, ou não, a um lote contaminado.

A engenheira Paula Bico, diretora dos Serviços de Nutrição da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, esclarece à SIC Notícias que os operadores têm de garantir, depois de informados, que os produtos não chegam ao consumidor. Aliás, alguns já têm vindo a retirar do mercado ao longo do tempo os produtos com esta goma de alfarroba contaminada.

A contaminação da goma de alfarroba foi feita por óxido de etileno, um pesticida proibido em todos os países da União Europeia, mas utilizado em países terceiros. O consumo de óxido de etileno constitui um risco grave para a saúde humana, segundo a DGAV, com potencial cancerígeno.

A DGAV tinha alertado esta quinta-feira, em comunicado, para a possibilidade de existência no mercado nacional de alguns géneros alimentícios, como gelados, com goma de alfarroba contaminada com um pesticida cancerígeno que representa um grave risco para a saúde.