País

Caso BPP: João Rendeiro faltou à leitura do acórdão. Juíza fez duras críticas

O tribunal descreveu-o como arrogante, ambicioso e sem sentido autocrítico.

João Rendeiro foi condenado a 10 anos de prisão em mais um processo no âmbito do caso BPP. O tribunal descreveu o ex-banqueiro como arrogante e ambicioso. Outros ex-administradores do banco foram também condenados.

O caso BPP

O Tribunal Central Criminal de Lisboa condenou esta sexta-feira o antigo presidente do Banco Privado Português (BPP), João Rendeiro, a 10 anos de prisão pelos crimes fraude fiscal, branqueamento e abuso de confiança.

Salvador Fezas Vital e Paulo Guichard, ex-administradores do banco, receberam uma pena de nove anos e meio cada um. Já o também ex-administrador Fernando Lima foi condenado a seis de cadeia.

Segundo a juíza, os arguidos são "condenados de forma exemplar e expressiva porque os factos que praticaram são graves" e a comunidade não entenderia que assim não fosse.

Rendeiro e outros ex-administradores do BPP estavam acusados de crimes de fraude fiscal qualificada, abuso de confiança qualificado e branqueamento de capitais por factos que ocorreram entre 2003 e 2008 na sequência de se terem atribuído prémios e apropriado de dinheiro do banco de forma indevida.

O tribunal deu como provado que os arguidos João Rendeiro, Fezas Vital, Paulo Guichard e Fernando Lima retiraram, no total, 31,280 milhões de euros para a sua esfera pessoal. Do valor total, mais de 28 milhões de euros foram retirados entre 2005 e 2008.

João Rendeiro retirou do banco para si 13,613 milhões de euros, Salvador Fezas Vital 7,770 milhões de euros, António Paulo Guichard 7,703 milhões de euros e Fernando Lima 2,193 milhões de euros.

No âmbito do caso BPP, João Rendeiro já estava condenado a cinco anos e oito meses de prisão efetiva por crimes de falsidade informática.

Também outros administradores foram condenados.

O processo de fraude fiscal, abuso de confiança e branqueamento de capitais do BPP, de que foi lido acórdão, foi extraído do primeiro megaprocesso de falsidade informática.