País

Mortes em lar clandestino em Torres Novas. Mais um caso a ser investigado

A SIC falou com a filha do utente.

Ficou em prisão preventiva a proprietária de um lar clandestino em Riachos, Torres Novas. Em causa está a morte de duas idosas, de 90 e 92 anos, por maus tratos agravados e profanação de cadáver.

Mas estas não são as únicas mortes neste espaço. Há agora mais um caso, que reporta a dezembro, e que está também a ser investigado. A SIC falou com a filha do utente, que confirmou que o pai apresentava magreza extrema e a proprietária usava a desculpa da pandemia para evitar contactos familiares.

Idosos pagavam 600 euros, mais 50 para fraldas e a medicação à parte

Os quatro idosos vivam no primeiro andar de um apartamento. Uma residência clandestina com três quartos arrendada desde julho de 2020. Cada um pagava 600 euros, mais 50 para fraldas. Os medicamentos eram à parte.

O utente que morreu em dezembro, de 72 anos, estava acamado numa cama articulada e com Alzheimer. A morte não teve grandes explicações.

A filha fez queixa nas autoridades na sexta-feira. O caso está a ser investigado.

É mais uma morte a juntar a outras duas

De idosas de 90 e 92 anos. Uma das vítimas já estaria morta há alguns dias.

O apartamento foi inspecionado pela Segurança Social, que determinou o encerramento imediato e compulsivo. A responsável, Ana Paula Alves foi detida e presa preventivamente na prisão de Tires. É suspeita da prática de dois crimes de maus tratos agravados, um crime de profanação de cadáver e dois crimes de maus tratos.

  • O bicho homem em quatro episódios

    Opinião

    Gostava muito de partilhar o otimismo de Attenborough e de Bregman. Mas depois há episódios como o da Superliga. Ou o das vacinas concentradas no hemisfério Norte. E a esperança esvai-se. Como as superfícies geladas do Ártico no verão.

    Cristina Figueiredo