País

"Portugal não tem tradição tecnológica para liderar o problema do hidrogénio"

Odacir Júnior

Odacir Júnior

Repórter de Imagem

Vanda Paixão

Vanda Paixão

Editora de Imagem

Diana Matias

Diana Matias

Produtora Editorial

Edgar Keats

Edgar Keats

Pós-produção áudio

Até 2030, Portugal comprometeu-se a cumprir sete metas que visam a neutralidade carbónica em 2050.

O Hidrogénio é um elemento químico gasoso sem cheiro, cor ou sabor. É usado na indústria, há anos. Embora, mais de 90% seja ainda produzido a partir de combustíveis fósseis. Do que se fala tanto agora é o que resulta da eletrólise através de fontes renováveis. A eletrólise da água é a decomposição do H2O em hidrogénio e oxigénio.

A Comissão Europeia já disse que o hidrogénio é essencial para concretizar o Pacto Ecológico Europeu, a resposta da Europa ao desafio das alterações climáticas.

Até 2030, Portugal comprometeu-se a cumprir sete metas que visam a neutralidade carbónica em 2050.

O ano passado, o Governo português aprovou percentagens de uso de hidrogénio verde na indústria, nalguns transportes e nas atuais redes de gás natural.

João Gomes, professor de Engenharia Química do ISEL, defende que "a indústria precisa de provas de que as tecnologias funcionam" e alerta para o risco dos "custos de investigação e desenvolvimento" virem a ser "repercutidos no consumidor".

O professor conclui: "Portugal não tem tradição tecnológica para liderar o problema do hidrogénio".

Veja também:

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia