País

Bombeiro morre em incêndio na serra da Lousã

(Arquivo)

MIGUEL A. LOPES

Fogo terá começado devido a trovoada.

Um bombeiro morreu este sábado num incêndio na serra da Lousã, em Coimbra, confirmou à SIC Notícias Luís Antunes, Presidente da Câmara Municipal da Lousã.

Dois outros bombeiros estiveram desaparecidos, já tendo sido localizados e outros três ficaram feridos.

O bombeiro que faleceu comandava a equipa que combatia o incêndio e fazia parte do corpo dos Bombeiros Voluntários de Miranda do Corvo.

A origem do fogo

O fogo terá começado pelas 18h26 devido à trovoada que se fez sentir na região e mobilizou 250 operacionais e 70 veículos. As características difíceis do terreno e o vento “muito forte” que se fazia sentir terão dificultado o combate às chamas.

O incêndio foi, entretanto, dado como dominado por volta das 21h00. No local decorrem ainda as operações de rescaldo e vigilância.

Marcelo lamenta morte

O Presidente da República lamentou, numa nota publicada na página oficial da Presidência, a morte de um bombeiro de Miranda do Corvo durante o combate às chamas em Lousã, Coimbra.

“Uma triste notícia e que representa uma perda profunda para quem tanto dá ao País. À família enlutada e ao Corpo de Bombeiros de Miranda do Corvo o Chefe de Estado envia as mais sentidas condolências”, lê-se na nota.

Marcelo Rebelo de Sousa informa ainda que contactou os presidentes das Câmaras Municipais da Lousã e de Miranda do Corvo, assim como o Comandante dos Bombeiros Voluntários de Miranda do Corvo, para conhecer o ponto de situação no terreno e se inteirar do estado de saúde dos bombeiros feridos.

A reação de António Costa

O primeiro-ministro, António Costa, lamentou o "trágico falecimento" do bombeiro que combatia um incêndio na serra da Lousã, assim como daqueles que ficaram feridos.

"Foi com profundo pesar e consternação que tomei conhecimento do trágico falecimento do bombeiro voluntário José Augusto Dias, que combatia um incêndio na serra da Lousã, assim como dos soldados da paz que ficaram feridos naquele combate e a quem desejo boa recuperação", lê-se numa nota do gabinete do primeiro-ministro.

António Costa enviou também os pêsames, "em nome de todo o Governo" à "família e amigos do chefe José Augusto Dias e à corporação de bombeiros de Miranda do Corvo".

Ministro da Administração Interna lamenta "momento trágico"

"Vivemos hoje mais um momento trágico, com a morte do Chefe José Augusto, do corpo de Bombeiros e Miranda do Corvo, que comandava a equipa que combatia o incêndio que deflagrou na serra da Lousã", lê-se no comunicado enviado às redações por Eduardo Cabrita.

"Em nome do Governo, endereço sentidos pêsames à família, amigo e à Associação Humanitária dos Bombeiros voluntários de Miranda do Corvo".

“A emoção não me deixa falar”

Em entrevista, o presidente da Liga dos Bombeiros emocionou-se dizendo que todos os profissionais choram “quando perdem um dos seus”.