País

"Respeitados e admirados sempre". A condecoração de Marcelo aos Comandos do Exército

Assinala-se esta segunda-feira, em Portugal, o Dia dos Comandos.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou esta manhã o Regimento de Comandos do Exército, atribuindo ao regimento as insígnias da Ordem da Liberdade.

A cerimónia restrita, decorreu no Palácio de Belém, em Lisboa, contou com a presença do antigo Presidente da República Ramalho Eanes e ministro da Defesa, João Gomes Cravinho.

Citando o seu lema, "a sorte protege os audazes", o chefe de Estado e Comandante Supremo das Forças Armadas considerou que "assim tem sido a história dos comandos", acrescentando: "Audazes, sempre - em África, nas três frentes, em momentos decisivos da transição democrática, em missões internacionais do Afeganistão à República Centro-Africana".

O Presidente da República elogiou-os pela coragem, determinação e solidariedade e afirmou que são "respeitados e admirados, sempre, como confirmam as ordens da Torre e Espada, de Cristo e de Avis", e "merecedores do reconhecimento da presença na democracia portuguesa".

Em seguida, Marcelo Rebelo de Sousa justificou a atribuição da Ordem da Liberdade ao Regimento de Comandos: "Porque foi pela liberdade que estiveram a construir a paz e a salvaguardar o serviço à humanidade por esse mundo fora. Porque é pela liberdade que se mantêm símbolo da dignidade da pessoa, valor supremo da nossa Constituição".

"Porque é também pela liberdade que estão dispostos a todos os sacrifícios, incluindo o da própria vida, para que a nossa pátria seja independente e livre, como livres devem ser os portugueses", completou o chefe de Estado, que terminou o seu discurso com o grito de guerra dos comandos: "Mama sumae".

A Ordem da Liberdade destina-se a distinguir serviços relevantes prestados em defesa dos valores da civilização, em prol da dignificação da pessoa humana e à causa da liberdade.