País

INEM abre inquérito interno após morte de Carlos Amaral Dias em ambulância

Morreu antes de chegar ao hospital, duas horas depois do alerta.

O INEM vai abrir um inquérito para apurar as circunstâncias da morte do psicanalista Carlos Amaral Dias.

Em comunicado, o INEM diz que: "Na manhã de ontem (03/12/2019), o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) recebeu uma chamada encaminhada pela Central 112, com um pedido de socorro para um homem de 73 anos com queixas de dificuldade respiratória. Tendo em consideração os sinais e sintomas referidos pelo contactante e após realizar a respetiva triagem clínica, o CODU acionou imediatamente uma Ambulância de Socorro dos Bombeiros Voluntários (BV) do Beato."

O organismo do Ministério da Saúde adianta ainda que a abertura do inquérito vai servir para apurar eventuais responsabilidades.

O professor universitário morreu na terça-feira na ambulância antes de chegar ao hospital, duas horas depois da emergência ter sido acionada.

Amaral Dias terá entrado em paragem cardiorrespiratória. Foram tentadas manobras de reanimação, mas acabou por morrer.

Psicanalista e professor

Carlos Amaral Dias, de 74 anos, abandonou há cerca de um mês, a seu pedido, a direção do Instituto Miguel Torga, à frente do qual esteve mais de duas décadas.

Carlos Amaral Dias foi professor da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação de Coimbra, onde se doutorou depois de se ter licenciado em psiquiatria, também na Universidade de Coimbra.