País

Movimento Ibérico garante que aterro em Almaraz está a ser feito

Um dos coordenadores do Movimento Ibérico Antinuclear (MIA), António Eloy, classificou esta segunda-feira de "chá dançante" a visita de comitivas portuguesas e espanholas à central nuclear de Almaraz e disse que no local "há movimentos diários de terra".

"Todos os dias saem de Almaraz camiões carregados de terra, o aterro está a ser feito", disse António Eloy à Lusa depois de uma reunião do MIA realizada hoje em Lisboa, destinada a preparar próximas ações do movimento contra a construção de um armazém de resíduos nucleares junto da central de Almaraz, a 100 quilómetros da fronteira portuguesa.

Na semana passada uma comitiva portuguesa visitou a central espanhola, tendo depois sido divulgado um comunicado do Ministério do Ambiente de Portugal que dizia nomeadamente: "Os especialistas nacionais tiveram oportunidade de confirmar que ainda não se iniciaram os trabalhos de construção do armazém de resíduos radioativos, tendo sido apenas registado que houve abate de árvores naquela zona".

A visita foi criticada pela organização ibérica por servir de moeda de troca para que Portugal retirasse uma queixa que tinha apresentado em Bruxelas contra Espanha. E o MIA aguarda agora o resultado de uma queixa que o próprio movimento apresentou e sobre a qual espera uma resposta até meados de maio, segundo António Eloy.

Na reunião de hoje foi preparada a participação portuguesa numa manifestação antinuclear que está agendada para 10 de junho em Madrid, bem como outras ações que decorrem até lá (como um debate em Portalegre no próximo fim de semana ou uma iniciativa com deputados espanhóis a 21 de abril), nomeadamente a marcha mundial pelo clima, a 29 de abril.

"Porque é importante que fique claro que o nuclear não é alternativa e que também contribui para as emissões de dióxido de carbono", salientou.

Eloy tem dito que na questão de Almaraz não é a construção do aterro que é importante mas sim o que ele representa: o prolongamento da vida da central além de 2020.

E também tem criticado a "posição pouco firme" do Governo português sobre esta matéria. Do ministro do Ambiente espera uma resposta a um pedido de reunião há cinco meses.

Lusa

  • Almaraz: Nuclear Até Quando?

    Reportagem Especial

    Nos anos de 1970 e 80, Portugal recusou a opção nuclear para produzir eletricidade. Mesmo ao lado, Espanha já tinha em marcha, desde a década de 60, um programa nuclear ambicioso, que chegou a prever 13 centrais de potência. A moratória nuclear espanhola travou sete projetos, nos anos 90, mas o país vizinho mantém em funcionamento cinco centrais nucleares, num total de sete reatores. Dois desses reatores, os da central nuclear de Almaraz, funcionam a cerca de 100 quilómetros da fronteira portuguesa.

  • "O prolongamento da vida das centrais nucleares tem de ser visto caso a caso"
    3:42

    New Articles

    O francês Henri Baguenier, especialista em economia da energia, considera que não se pode dar uma autorização genérica para o prolongamento da vida das centrais nucleares em Espanha, ou em qualquer país do mundo. Em entrevista à SIC, para a Reportagem Especial "Almaraz: Nuclear Até Quando?", o antigo professor do ISEG defende que o prolongamento "é uma questão de análise caso a caso", e lembra que a questão que se está a colocar em Espanha, coloca-se em muitos países, porque "o setor nuclear é um setor velho, em termos de capacidade instalada." O economista, que nos anos 80 foi um dos académicos que ajudou a travar a opção nuclear em Portugal, diz ainda que a grande diferença de há 20 anos para cá é que, "hoje, produzir eletricidade renovável é competitivo em relação a qualquer outra tecnologia".

  • Marcelo Rebelo de Sousa: aprender a perder para depois ganhar o país

    Presidenciais

    Marcelo Rebelo de Sousa foi um predestinado. Nasceu e cresceu à boleia da ditadura, mas a sua luta foi pela democracia. Parecia não alimentar a vontade de alcançar altos cargos políticos e chegou mesmo a invocar o nome de Deus em vão: "Nem que Cristo desça à Terra!", dizia Marcelo. Declarou também que dez anos como Presidente da República era muito tempo. Mas ei-lo de novo a contrariar-se e a seguir o caminho que já lhe vinha a ser apontado.

    Ana Luísa Monteiro

  • Obrigado!

    Desafios da Mente

    As pessoas que sentem mais gratidão apreciam, de forma mais geral, os aspetos positivos em si e no mundo. Este fator confere um papel-chave à gratidão na determinação da saúde mental, uma vez que a depressão traz uma visão negativa sobre o próprio, o mundo e o futuro. Pelo contrário, a gratidão pode formar uma tríade positiva que compreende visões positivas sobre o próprio, o mundo e o futuro (otimismo).