Mundo

Covid-19. Passageiros de aeroporto na Indonésia foram testados com zaragatoas usadas 

AGUSTIN MARCARIAN

Foram detidos cinco trabalhadores da farmacêutica indonésia envolvida no esquema fraudulento.

Vários trabalhadores de uma farmacêutica da Indonésia foram detidos, por suspeitas de envolvimento num esquema fraudulento que envolvia a venda de testes à covid-19 que já tinham sido utilizados antes.

De acordo com a BBC, em causa estão kits de testes nasais que eram lavados, depois de usados, e vendidos como se fossem novos.

Segundo a polícia, cerca de 9 mil passageiros que passaram pelo aeroporto de Medan terão sido testados com zaragatoas que já tinham sido usadas antes.

A empresa estatal Kimia Farma pode enfrentar agora um processo interposto pelos passageiros.

Esquema descoberto após várias denúncias de falsos positivos

As autoridades acreditam que o esquema começou em dezembro, no Aeroporto de Kualanamu, em Medan, Sumatra do Norte. Foi descoberto após várias denúncias de passageiros que tinham recebido falsos positivos.

Perante as denúncias, as autoridades iniciaram uma investigação que envolveu buscas no aeroporto, onde foi encontrado um kit de teste que seria novamente usado.

Entre os cinco funcionários da Kimia Farma detidos, está o gerente. Estão acusados de quebrar as leis de saúde e do consumidor.

Os media locais adiantam que há pelo menos 23 testemunhas e que as autoridades estão a investigar a possibilidade do dinheiro do esquema – cerca de 103 mil euros – ter sido usado para construir uma casa de luxo para um dos suspeitos do crime.

A apresentação de testes à covid-19 tornou-se uma rotina em muitos países do mundo com a pandemia. Na Indonésia, é exigido um teste negativo aos passageiros que queiram apanhar um voo e os aeroportos nacionais oferecem a opção de fazer o teste no local.