Mundo

Destroços de foguetão chinês poderão atingir a superfície terrestre

Maqueta da Tiangong - Palácio Celestial

Tingshu Wang / Reuters

Apesar dos oceanos cobrirem a maior parte do planeta, os especialistas temem que os destroços possam atingir áreas de habitação.

Há uma parte do foguetão chinês Long March 5B, que foi lançado para o espaço no passado dia 29 de abril, que poderá entrar na atmosfera terrestre e atingir a superfície, de forma não controlada. Com base nos dados de órbita, ainda não é possível identificar qual o local da queda.

O objeto tem 30 metros de altura, pesa mais de 20 toneladas e poderá protagonizar uma das maiores reentradas não controladas de sempre na Terra. Os especialistas temem que os destroços atinjam áreas de habitação.

“A última vez que lançaram um foguetão Long March 5B acabaram por ter longas hastes de metal a voar pelo céu e a danificar vários edifícios na Costa do Marfim”, lembra Jonathan McDowell, astrofísico no Centro de Astrofísica da Universidade de Harvard, citado pelo The Guardian. “A maior parte queimou-se, mas houve pedaços enormes de metal que atingiram o chão. Tivemos sorte que ninguém se magoou.”

O objeto está a orbitar a Terra a cada 90 minutos, numa velocidade de 27.600 km/h e a uma altitude de 300 quilómetros, segundo dados desta terça-feira. No entanto, desde o fim de semana, foi registada uma descida de aproximadamente 80km na altitude. Observações amadoras, reportadas pela SpaceNews, apontam que o objeto estaria em queda e fora do controlo.

Uma vez que o planeta Terra é 71% água, o mais provável é que o objeto caia no oceano. Mas isso ainda não é certo. Para além disso, a entrada na atmosfera terrestre poderá provocar o “equivalente a um pequeno desastre de avião espalhado num raio de cerca de 160 km".

“O que é pior é que isto é uma verdadeira negligência por parte da China. Coisas com mais de 10 toneladas, nós não as deixamos cair do céu deliberadamente fora do controlo”, acrescenta o astrofísico. Desde 1990 que nenhum objeto com mais de 10 toneladas foi deixado em órbita de forma deliberada.

O objeto poderá cair – tendo por base a atual órbita – em qualquer ponto da Terra que estejam entre a latitude norte de Nova Iorque, Madrid e Beijing e a latitude sul do Chile, Wellington e Nova Zelândia (a sul). A data esperada para a queda é dia 10 de maio, podendo acontecer até dois dias antes ou depois.

O lançamento do Long March 5B faz parte de um conjunto de 11 missões que têm como objetivo final a construção da estação espacial chinesa. O projeto, cuja conclusão está prevista para o final de 2022, irá ter uma porto de aterragem e permitirá estar ligada aos satélites chineses.