Mundo

Um morto e quatro feridos em protestos no Senegal. Embaixada pede prudência aos portugueses

Zohra Bensemra

Manifestações devido à detenção, depois do levantamento da sua imunidade, do deputado e líder do partido Pastef, Ousmane Sonko.

A embaixada de Portugal no Senegal recomendou esta quinta-feira aos portugueses residentes naquele país "prudência" e "vigilância" devido à possibilidade da continuação das manifestações que têm ocorrido nos últimos dias.

"Face a possíveis manifestações durante os próximos dias em diversos locais no Senegal, os serviços consulares da embaixada de Portugal, em Dacar, recomendam aos nossos concidadãos prudência e vigilância redobrada", referiu a representação diplomática de Portugal num aviso divulgada na sua página na rede social Facebook.

Protestos em várias cidades

Manifestações de protesto têm ocorridos em várias cidades do Senegal devido à detenção, depois do levantamento da sua imunidade, do deputado e líder do partido Pastef, Ousmane Sonko, que ficou em terceiro nas presidenciais de 2019.

Ousmane Sonko, de 46 anos, foi alvo no início de fevereiro de uma queixa por violação e ameaças de morte apresentada por uma funcionária de um salão de beleza, onde ia receber massagens.

O deputado nega as acusações e fala de uma conspiração.

Segundo a imprensa, um jovem morreu esta quinta-feira durante uma manifestação ocorrida na região de Casamança, no sul do país, de onde a família de Ousmane Sonko é originário.

Há ainda pelo menos quatro polícias feridos no segundo dia de protestos de apoio ao opositor do regime no Senegal.

No percurso para o tribunal onde o deputado ia ser ouvido, o manifestação subiu de tom e a polícia teve de usar gás lacrimogéneo para dispersar a população. Devido aos protestos, Sonko acabou por ser detido.

Suspensão de dois canais privados de televisão

As autoridades senegalesas anunciaram esta quinta-feira ao final do dia a suspensão de dois canais privados de televisão por três dias por terem difundido em "loop"as imagens dos distúrbios provocados pela detenção de Ousmane Sonko.

A decisão do Conselho Nacional de Regulamentação do Audiovisual visa a Sem TV e Walf TV.

Na quarta-feira, aquele conselho já tinha emitido um alerta aos meios de comunicação social contra a divulgação de conteúdo "explícito ou implicitamente tolerando a violência", incitando distúrbios à ordem pública ou "suscetível de constituir uma ameaça ao público, estabilidade nacional ou coesão social".