Mundo

Polícia abate a tiro homem que ameaçava pessoas com uma arma em Avignon

Gonzalo Fuentes / Reuters

Pouco tempo depois de um ataque em Nice em que morreram três pessoas.

A polícia francesa atirou sobre um homem que ameaçava com uma arma as pessoas que passavam na rua em Montfavet, perto de Avignon, no sul de França.

Segundo o jornal local La Provence, o homem teria uma arma de fogo.

"O homem ameaçou com a sua arma e foi morto pela polícia", disse um porta-voz da polícia de Avignon. "Não há feridos". "Todos as pistas estão a ser consideradas, mas no momento não temos [indicação] de um caráter islâmico".

A investigação foi entregue à Polícia Judiciária.

Este ataque acontece poucas horas depois de um primeiro ataque em Nice. Pelo menos três pessoas morreram.

Entretanto surgiu a notícia de um homem ter sido detido em ataque com faca a consulado francês na Arábia Saudita

Tensão e revolta no mundo árabe contra caricaturas de Maomé

Atualmente nos países muçulmanos há um sentimento de revolta contra o Presidente francês, Macron que afirmou que a França não irá renunciar às caricaturas de Maomé, provocando apelos ao boicote de produtos franceses nos países árabes.

A 16 de outubro, um professor francês foi decapitado por um extremista russo de origem chechena por ter mostrado caricaturas do profeta Maomé numa aula sobre liberdade de expressão.

Esta quinta-feira os muçulmanos celebram o nascimento do profeta Maomé.

  • Marcelo Rebelo de Sousa: aprender a perder para depois ganhar o país

    Presidenciais

    Marcelo Rebelo de Sousa foi um predestinado. Nasceu e cresceu à boleia da ditadura, mas a sua luta foi pela democracia. Parecia não alimentar a vontade de alcançar altos cargos políticos e chegou mesmo a invocar o nome de Deus em vão: "Nem que Cristo desça à Terra!", dizia Marcelo. Declarou também que dez anos como Presidente da República era muito tempo. Mas ei-lo de novo a contrariar-se e a seguir o caminho que já lhe vinha a ser apontado.

    Ana Luísa Monteiro