Mundo

Meteoritos que caíram na Terra podem desvendar um segredo de Marte

Cratera Korolev no polo norte de Marte com gelo

Björn Schreiner 2018 - FU Berlin

De onde provém a água em Marte?

Um dos grandes mistérios a resolver para se conseguir perceber a história de Marte é perceber de onde surgiu a água. Investigadores nos Estados Unidos podem ter encontrado uma grande pista depois de analisarem pedaços de meteoritos que caíram na Terra.

Há muitos muitos milhões de anos, Marte deve ter sido um planeta quente e com água. Isto antes de a atsmosfera do planeta ter sido lentamente destruída - deixando Marte com a atmosfera fina e tornando-o o planeta deserto e gelado que conhecemos hoje.

De onde terá surgido a água nesses primórdios? Os cientistas têm estudado tudo o que podem para obter a resposta. Primeiro, e como qualquer outro planeta, Marte tem um núcleo, um manto, uma crosta e uma atmosfera.

Por sorte, os meteoritos marcianos contêm amostras da crosta do planeta, local onde se acredita estar o maior reservatório - cerca de 35% do total de água abaixo da superfície.

Meteorito Black Beauty

Meteorito Black Beauty

NASA

Os dois meteoritos mais conhecidos são Black Beauty (Beleza Negra) e Allan Hills.

A equipa liderada por Jessica Barnes, professora assistente de ciências planetárias do Laboratório Lunar e Planetário da Universidade do Arizona, estudou várias camadas finas destes meteoritos para desvendar o passado de Marte, perceber como o planeta se formou e qual a origem da água.

O estudo foi publicado esta semana na revista Nature Geoscience.

O meteorito Black Beauty - que terá dois milhões de anos - formou-se no planeta e de lá foi "expulso" quando um enorme impacto atingiu Marte e acabou por juntar vários pedaços da crosta, lançando-o no espaço.

Pelo menos dois reservatórios a grande profundidade

Os cientistas fizeram uma análise química para determinar os tipos de isótopos de hidrogénio. Isótopos são os átomos que compõem os elementos químicos.

Mais especificamente, estavam à procura de dois isótopos - "hidrogénio leve" e "hidrogénio pesado", porque é a proporção destes dois isótopos que pode explicar a origem dos vestígios de água encontrados nas rochas.

Os dois meteoritos vêm sugerir a existência de duas fontes de água diferentes.

Esta conclusão, aliada a conhecimentos anteriores já determinados sobre Marte, incluindo as observações feitas pelo robô Curiosity Rover, da NASA, e outro meteorito expelido do manto de Marte, revelam três coisas.

Nos meteoritos marcianos, a crosta mantém-se praticamente inalterável ao longo dos tempos. Os isótopos sugerem que as mudanças na atmosfera marciana ocorreram ao longo do tempo, E que as amostras do manto eram completamente diferentes das amostras da crosta.

Algumas descobertas do robô Curiosity