Os números da Covid-19

Portugal com mais 9 mortes e 757 novos casos de covid-19 em 24 horas

PATRICIA DE MELO MOREIRA

O último balanço da Direção-Geral da Saúde.

Portugal contabiliza esta sexta-feira mais nove mortes e 757 novos casos de covid-19, segundo o relatório diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 17.947 mortes e 1.065.633 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando hoje ativos 31.759 casos, menos 407 em relação a ontem.

O boletim da DGS revela que estão internados 410 doentes, menos dois do que na quinta-feira. Nos cuidados intensivos estão 76 doentes, mais um face a ontem.

Os dados indicam ainda que mais 1.155 doentes foram dados como recuperados, fazendo subir para 1.015.927 o número total de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.

As autoridades de saúde têm sob vigilância 28.287 contactos, mais 52 relativamente ao dia anterior.

As mortes ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo (2), na região Centro (4), no Alentejo (2) e no Algarve (1).

Relativamente às idades das vítimas mortais, cinco tinham mais de 80 anos, três entre os 70 e os 79 anos e uma entre os 40 e os 4 anos.

Olhando para a caracterização etária dos novos casos de infeção confirmados, os adultos entre os 50 e os 59 anos foram os que registaram mais novos casos nas últimas 24 horas: o boletim aponta 145.711 infetados desde o início da pandemia, mais 116 do que na quinta-feira.

Seguem-se os adultos com idades entre os 30 e os 39 anos (mais 102 casos) e os jovens entre os 20 e os 29 anos (mais 96 casos) e as crianças com 0 e 9 anos com mais 91 casos.

As crianças e jovens entre os 10 e os 19 anos têm hoje mais 89 novos casos registados.

Entre os 40 e os 49 anos foram registados mais 84 novos casos nas últimas 24 horas, entre 60 e 69 anos mais 75 casos, entre 70 e 79 aos mais 51 casos e com mais de 80 anos 53 novos casos.

A região de Lisboa e Vale do Tejo, com a notificação de 277 novas infeções, contabiliza até agora 412.225 casos e 7.668 mortos.

Na região Norte foram registadas 213 novas infeções por SARS-CoV-2, totalizando 409.159 casos de infeção e 5.547 mortes desde o início da pandemia.

Na região Centro registaram-se mais 102 casos, acumulando-se 142.362 infeções e 3.138 mortos.

No Alentejo foram assinalados mais 55 casos, totalizando 38.619 infeções e 1.022 mortos desde o início da pandemia.

Na região do Algarve o boletim regista 70 novos casos, acumulando-se 42.314 infeções e 458 mortos.

A região Autónoma da Madeira registou 15 novos casos, somando 12.173 infeções e 72 mortes devido à covid-19 desde março de 2020.

Os Açores têm hoje 25 novos casos, contabilizando 8.781 casos e 42 mortos desde o início da pandemia.

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim da DGS.

O novo coronavírus já infetou em Portugal pelo menos 572.677 mulheres e 492.223homens, mostram os dados da DGS, segundo os quais há 733 casos de sexo desconhecido, que se encontram sob investigação, uma vez que esta informação não é fornecida de forma automática.

Do total de vítimas mortais, 9.411 eram homens e 8.536 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nos idosos com mais de 80 anos, seguidos da faixa etária entre os 70 e os 79 anos.

Do total de mortos, 11.704 tinham mais de 80 anos, 3.845 entre os 70 e os 79 anos e 1.635 entre os 60 e os 69 anos.

Taxa de incidência e índice de transmissibilidade

A taxa de incidência nacional é hoje de 127,3 casos de infeção por 100 000 habitantes. No continente está nos 129,7 casos por 100 000 habitantes.

O R(t) nacional está em 0,83 e no continente em 0,82.

Os dados dos indíces R(t) e da incidência são atualizados à segunda, quarta e sexta-feira.

Portugal avança para a última fase de desconfinamento

O primeiro-ministro anunciou esta quinta-feira que o país está "em condições de avançar" para a terceira e última fase do desconfinamento e adiantou que, na próxima semana, deverá ser atingida a meta de 85% da população com a vacinação completa.

Alunos podem estar no recreio sem máscaras a partir de 1 de outubro

A partir do dia 1 de outubro, os alunos podem andar sem máscara no recreio das escolas, mas continua a ser obrigatória nas salas de aulas e dentro dos edifícios.

A decisão divulgada esta quinta-feira, pelo Governo, divide diretores dos ensinos público e privado.

A máscara continua a ser obrigatória dentro da sala e em todo o edifício para os alunos a partir do 2.º ciclo.

Task force apela a doentes recuperados da covid-19 para se vacinarem

A task force lançou hoje um apelo a todas as pessoas que recuperaram da covid-19 há pelo menos três meses e que não chegaram a receber a vacina para se vacinarem "com a maior brevidade possível".

Numa nota enviada à comunicação social, a equipa responsável pelo processo de vacinação contra a infeção provocada pelo vírus SARS-CoV-2 lembra que os utentes devem recorrer à modalidade casa aberta, sem restrição de idades ou local de residência, porque os centros de vacinação atualmente existentes "serão, em breve, empenhados na vacinação da gripe".

Mais de 4,7 milhões de mortos em todo o mundo

A covid-19 provocou pelo menos 4.705.691 mortes em todo o mundo, entre mais de 229,48 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Entretanto surgiram novas variantes, nomeadamente as identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

A grande maioria dos pacientes recupera, mas uma parte evidencia sintomas por várias semanas ou até meses.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia