Os números da Covid-19

Portugal com mais 20 mortes e 3.396 casos de covid-19 em 24 horas

NurPhoto

O último balanço da Direção-Geral da Saúde.

Portugal contabiliza este sábado mais 20 mortes e 3.396 novos casos de covid-19, segundo o relatório diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 17.284 mortes e 950.434 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando este sábado ativos 52.782 casos, menos 752 em relação ao dia anterior.

O boletim da DGS revela que estão internados 835 doentes, menos 20 do que ontem.

Nos cuidados intensivos estão 181 doentes.

Os dados indicam ainda que mais 4.128 foram dados como recuperados, fazendo subir para 880.368 o número total de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.

As autoridades de saúde têm sob vigilância 82.924 contactos, mais 1.073 relativamente ao dia anterior.

TAXA DE INCIDÊNCIA E ÍNDICE DE TRANSMISSIBILIDADE

A taxa de incidência nacional subiu de 409,0 para 418,3 casos de infeção por 100 000 habitantes. No continente aumentou de 421,3 para 430,8 casos de infeção por 100 000 habitantes.

O R(t) nacional desceu de 1,09 para 1,07 e no continente de 1,09 para 1,07.

Os dados dos indíces R(t) e da incidência são atualizados à segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira.

Vacinação de jovens contra a covid-19: sim ou não?

O pediatra e intensivista Francisco Abecasis e a professora da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra, Alexandrina Ferreira Mendes, estiveram na Edição da Noite da SIC Notícias, esta sexta-feira, para debater dois temas: a dose de reforço da vacina contra a covid-19 e a vacinação de crianças com mais 12 anos.

Francisco Abecasis diz que as crianças podem ter efeitos secundários mais graves, caso sejam vacinadas, e que por isso é contra a vacinação dos jovens.

"Sou contra a vacinação de crianças e adolescentes nesta fase. A razão é muito simples, estas vacinas foram desenvolvidas com dois objetivos: evitar doença grave e morte. Se as crianças não têm nem doença grave, nem morte, então as vacinas não deviam ser recomendadas para elas porque não foi com esse intuito que foram desenvolvidas e as crianças não vão ter um benefício da vacina", disse à SIC Notícias.

"Surgiram alguns sinais de alerta ao aparecerem efeitos secundários mais graves em crianças e adultos jovens que não tinham acontecido quando se vacinou a população mais idosa", acrescentou.

Por outro lado, Alexandrina Ferreira Mendes acredita que a vacinação de crianças a partir dos 12 anos é benéfica, especialmente se aparecerem novas variantes de covid-19.


"Quanto mais pessoas vacinadas, incluindo as crianças a partir dos 12 anos, que são aquelas para as quais já há resultados de ensaios clínicos, isso é benéfico para as crianças, porque embora sejam raros os casos de doença grave nas crianças, eles não são inexistentes. Por outro lado, sabemos que estão a aparecer novas variantes e as vacinas atuais, para as variantes já conhecidas, têm também uma eficácia significativa, o que quer dizer que também poderão proteger estas crianças", afirmou à SIC Notícias.

"Tudo aquilo que represente mais proteção é útil e vantajoso", rematou.

Governo negociou com a Noruega a entrega de 295 mil vacinas

Portugal vai receber menos dois terços das vacinas contra a covid-19 da Johnson & Johnson que estavam previstas para agosto, o que obrigou o Ministério da Saúde a adquirir mais vacinas para compensar a falha.

Das 600 mil vacinas da Janssen que deveriam chegar em agosto, só vão chegar 200 mil. O Ministério da Saúde conseguiu negociar com a Noruega a entrega de 295 mil vacinas para remediar a quebra na entrega.

Os atrasos na entrega de vacinas têm feito oscilar a velocidade do processo de vacinação. Na última semana, foram administradas, em média, 95 mil vacinas por dia., Atualmente 49% da população está totalmente vacinada.

O coordenador da task force diz esperar ter mais de 70% da população com a vacinação completa na segunda semana de setembro.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global