A vacinação em Portugal e no Mundo

Vacinados têm três vezes menos hipóteses de contrair covid-19

Sarah Meyssonnier

Estudo do Imperial College de Londres revela eficácia das vacinas mas alerta para a necessidade de cautela.

As pessoas com a vacinação completa contra a covid-19 têm três vezes menos hipótese de serem infetadas pelo novo coronavírus, revelam os últimos resultados de um estudo em larga escala feito em Inglaterra.

O estudo do Imperial College de Londres e Ipsos MORI com mais de 98.000 voluntários entre 24 de junho e 12 de julho mostra também que as pessoas com duas doses da vacina têm menos probabilidade de transmitirem o vírus SARS-CoV-2.

"Essts resultados confirmam os nossos dados anteriores que mostram que duas doses da vacina oferecem boa proteção contra a infecção", segundo o responsável pelo estudo, o professor Paul Elliott, avisando no entanto que "existe sempre o risco de infeção, porque nenhuma vacina é 100% eficaz", apelando por isso à "cautela".

O relatório diz ainda que o número de infeções quadruplicou em relação ao último relatório divulgado no final de maio. Atualmente há 1 em 160 pessoas infetadas, mas a progressão parece estar a diminuir.

Esses números não levam em consideração o levantamento da maioria das restrições que entraram em vigor a 19 de julho em Inglaterra, apesar da explosão do número de casos atribuídos à variante Delta, que é mais contagiosa.

A última estimativa do National Statistics Office (ONS), relatica à semana que terminou a 24 de julho, concluiu que 1 em 65 pessoas em Inglaterra estava infetada.

Em todo o Reino Unido, onde 73% dos adultos estão totalmente vacinados, a epidemia já custou a vida de 130.000 pessoas.

Vacinas contra a covid-19: as que estão a ser usadas e as que estão a caminho

Em menos de um ano desde que foi declarada a pandemia foram desenvolvidas várias vacinas em laboratórios por todo o mundo. A primeira vacina a obter autorização de emergência para inoculação foi a da Pfizer e BioNTech. O Reino Unido foi o primeiro país a aprovar esta vacina e a iniciar a campanha de vacinação, em dezembro de 2020.

Mais de 4,2 milhões de mortos no mundo

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.234.618 mortos em todo o mundo, entre mais de 198,8 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

Os países com o maior número de mortos são os Estados Unidos, o Brasil, Índia, México e Peru.

Os países que registaram o maior número de novas mortes nas últimas 24 horas são a Indonésia com 1.759 novas mortes, Brasil (1.318) e Rússia (794).

A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Entretanto surgiram novas variantes, nomeadamente as identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

A grande maioria dos pacientes recupera, mas uma parte evidencia sintomas por várias semanas ou até meses.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global