Vacinar Portugal

Vacinação de crianças e jovens. Governo tem tudo preparado mas aguarda pela DGS 

Tudo depende do parecer da DGS. 

A ministra da Presidência reiterou esta quinta-feira que há condições para que a vacinação contra a covid-19 de crianças e jovens fique concluída antes do arranque do ano letivo.

Mariana Vieira da Silva sublinhou, no entanto, que tudo depende do parecer da Direção-Geral da Saúde.

As declarações da ministra foram feitas esta quinta-feira, na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros.

Vacinação de 570 mil crianças e jovens entre 12 e 17 anos até 19 de setembro

Na quarta-feira, o primeiro-ministro anunciou a meta de vacinar com duas doses contra a covid-19, no período entre 14 de agosto e 19 de setembro, 570 mil crianças e jovens entre 12 e 17 anos.

António Costa anunciou esta meta do processo de vacinação contra a covid-19, que se destina sobretudo a proteger o início do próximo ano letivo, no seu discurso que abriu o debate do estado da nação, no parlamento, que marca o fecho da segunda sessão legislativa.

"Estamos numa corrida contra o tempo, uma corrida entre a vacinação e a sucessão de novas variantes", começou por afirmar o líder do executivo, defendendo que, até agora, o seu Governo, tem cumprido as metas fixada.

DGS pediu duas semanas para definir posição sobre vacinação de jovens

A Direção-Geral da Saúde (DGS) pediu duas semanas para estudar os pareceres da Comissão Técnica de Vacinação contra a covid-19 em jovens e os calendários de vacinação para definir uma posição, revelou esta quarta-feira a ministra da Saúde.

Em declarações aos jornalistas no final de uma cerimónia de assinatura de um protocolo com o setor social no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no Palácio Marquês do Alegrete, em Lisboa, Marta Temido salientou que o Governo não recomenda vacinas, mas que apenas aplica as recomendações das entidades técnicas sobre esta matéria.

"Aquilo que a DGS nos transmitiu ser o entendimento da Comissão Técnica de Vacinação é que será desejável dispor de mais algum tempo e referiram-nos um prazo de duas semanas para perceber mais em detalhe quais são os calendários", afirmou.