Tensão EUA-Irão

Corpos de vítimas ucranianas repatriadas

Gleb Garanich

O Boeing 737 da companhia Ukrainian Airlines despenhou-se no passado dia 8 nos arredores de Teerão, causando a morte de todas as 176 pessoas a bordo.

Os caixões com os corpos dos 11 ucranianos mortos no acidente do avião civil que foi abatido pelo Irão foram este domingo repatriados para a Ucrânia envoltos em bandeiras.

O Presidente Volodymyr Zelensky, o primeiro-ministro Oleksiï Gontcharouk e outros altos dignitários participaram na cerimónia solene que decorreu no aeroporto de Boryspil, na capital ucraniana.

Funcionários da campanhia aérea Ukraine International compareceram à cerimónia para homenagear os seus nove colegas que morreram.

O Boeing 737 da companhia Ukrainian Airlines despenhou-se no passado dia 8 nos arredores de Teerão, causando a morte de todas as 176 pessoas a bordo, 82 dos quais iranianos.

O acidente ocorreu horas depois do lançamento de 22 mísseis iranianos contra duas bases da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, em Ain Assad e Erbil, no Iraque, numa operação de vingança pela morte do general iraniano Qassem Soleimani.

Inicialmente, as autoridades iranianas rejeitaram a tese de que o desastre do Boeing 737 estivesse relacionado com um eventual ataque com mísseis.

Dias depois, o Presidente do Irão, Hassan Rohani, afirmou que o país "lamentava profundamente" ter abatido o avião civil, sublinhando tratar-se de "uma grande tragédia e um erro imperdoável".