Orçamento do Estado

Marta Temido diz que saúde não está esquecida no Orçamento, setor responde com greves

Médicos, enfermeiros, técnicos de emergência e farmacêuticos anunciaram greves para outubro e novembro.

O Orçamento para a saúde é dos maiores de sempre, mas não reúne consenso à esquerda.

Com uma verba de 703 milhões de euros dedicada à saúde no Orçamento do Estado para 2022, os sindicatos asseguram que com o desgaste da pandemia, não chega para suprir as necessidades do Serviço Nacional de Saúde.

O primeiro-ministro promete a formação de mais médicos e mais remuneração para os especialistas que façam mais de 500 horas anuais de trabalho suplementar para garantir o funcionamento das urgências.

Os médicos insistem que não chega e as duas estruturas sindicais avançam para greve nos dias 23, 24 e 25 de novembro. No mesmo mês que os enfermeiros convocaram uma paralisação.

O Bloco de Esquerda dá conta que o que o Governo propõe é mitigar o que já está decidido, no que respeita à exclusividade dos profissionais da saúde.

O PCP quer uma resposta global que abranja fixação de profissionais da saúde no SNS e investimento em equipamentos e hospitais. A mesma posição tem o PAN, que exige também uma maior aposta na prevenção e maior investimento em diagnósticos e rastreios.

► VEJA MAIS: