A SIC em Tóquio

Tóquio 2020. A escultura de flores que se tornou na principal atração

Enviados SIC

Mário Cabrita

Mário Cabrita

Repórter de Imagem

Projeto começou a ser delineado há três anos.

Uma escultura de flores tornou-se na maior atração destas olimpíadas sem público. O entusiasmo dos japoneses virou-se para as mascotes em tamanho gigante.

A escultura salta à vista no Parque Olímpico. São 5 metros de altura que vivem da força da Natureza. Chegar à forma das mascotes dos Jogos Olímpicos nem foi o mais delicado de acertar em todo o processo de criação.

"O mais difícil foi fazer com que as flores desabrochassem na cerimónia de abertura", conta o arquiteto paisagista Hitoshi Taketani.

O projeto começou a ser pensado há 3 anos, muito antes da pandemia.

A organização dos Jogos pediu-lhe que fizesse florir Miraitowa e Someity, as mascotes olímpica e paralímpica. Depois de algumas contas, semeou petúnias brancas e rosa há 6 meses.

A pandemia deu protagonismo à escultura. É o mais próximo que os japoneses conseguem ficar das olimpíadas.

A SIC EM TÓQUIO

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia