George Floyd

Washington amplia recolher obrigatório devido aos protestos

JONATHAN ERNST

Washington foi domingo palco de novas manifestações para denunciar o racismo e a violência policial após a morte de George Floyd.

O recolher obrigatório decretado em Washington após mais uma noite de protestos foi antecipado em quatro horas e vai vigorar por dois dias anunciou esta segunda-feira a "mayor" da capital dos Estados Unidos, Muriel Bowser.

A medida de exceção começará às 19:00 locais, em vez das 23:00, e permanecerá em vigor durante dois dias, acrescentou.

"Todos os norte-americanos devem estar revoltados com a morte de George Floyd. No entanto, as janelas partidas e as pilhagens estão a eclipsar o essencial das conversas", sublinhou Bowser numa conferência de imprensa.

Tal como tem acontecido noutras cidades dos Estados Unidos, Washington foi domingo palco de novas manifestações para denunciar o racismo e a violência policial após a morte, há uma semana em Mineápolis, de George Floyd, um negro de 46 anos, que morreu sob custódia policial.

Na noite de sábado para domingo, as manifestações em frente à Casa Branca degeneraram em violência, com viaturas a arder e vários estabelecimentos comerciais vandalizados.

Na sequência das manifestações e da violência, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ridicularizou hoje alguns governadores estaduais por serem "fracos" e exigiu-lhes que tomem medidas duras contra os manifestantes, após mais uma noite de violência em diversas cidades.

Donald Trump conversou com os governadores - numa videoconferência em que também estiveram presentes autoridades policiais e militares - dizendo-lhes que "precisam de ser muito mais duros" em relação às manifestações de protesto violentas.

Desde quarta-feira que milhares de pessoas têm saído às ruas de mais de 70 cidades nos Estados Unidos, para protestar contra a morte de George Floyd, provocando cenas de saque e violência que já levaram vários governos estaduais e pedir a intervenção da Guarda Nacional e mais de 40 cidades a decretar o recolher obrigatório.

"Muitos de vocês são fracos", disse Trump aos governadores, aconselhando as autoridades a deterem mais pessoas.

O procurador-geral, William Barr, que também participou na videoconferência, disse aos governadores que devem perseguir os manifestantes que provocam distúrbios, sendo mais proativos no controlo da situação nas ruas das suas cidades.

O Presidente norte-americano não escondeu a sua preocupação com o alastrar das cenas de violência, que já duram há seis noites consecutivas e têm obrigado a fortes dispositivos policiais.

O próprio Donald Trump foi obrigado e proteger-se num 'bunker' da Casa Branca, na noite de sexta-feira, escoltado por agentes dos serviços secretos que o procuraram colocar a salvo, quando os manifestantes começaram a atirar pedras contra a residência oficial do Presidente.