É um problema de amor

"Tenho canções de forte empenho social"

Humberto Candeias

Humberto Candeias

Repórter de Imagem

Vanda Paixão

Vanda Paixão

Editora de Imagem

É hoje um dos nomes mais importantes e conhecidos da música portuguesa do século XX. Marcante na forma, distintivo no conteúdo, Sérgio Godinho edita dois discos antes do 25 de Abril.

Quando se dá a Revolução, Godinho está a viver fora de Portugal. Primeiro na Suíça onde estuda psicologia, depois em Paris onde integra grupos de teatro e vive o Maio de 1968. Será aí que irá trabalhar de perto com José Mário Branco. E será aí que se dá conta do movimento revolucionário de esquerda, em 1974.

O regresso a Portugal acabaria por ser uma alegria inevitável. Sérgio Godinho diz que os portugueses conheciam as canções porque os discos, mesmo censurados, eram passados de mão em mão.

Godinho continua a encher salas de concertos e, há um ano, editou uma canção que reflete o "novo normal" que se instalou com a chegada da pandemia.

Veja também:

► Reportagem Especial: "É um problema de amor"

Paulo de Carvalho: "Se fiquei na história foi por acaso"

Jorge Palma: "Portugal era um atraso de vida"

José Jorge Letria: "As cantigas foram fundamentais para que houvesse 25 de Abril"

Francisco Fanhais: "Eu não podia ficar nas encolhas"

Manuel Freire: "Eu quero dar um recado com as cantigas"

Fernando Tordo: "O medo hoje tem outras cores, outro cheiro, outro som, mas existe"

Carlos Mendes: "Nós invadimos os festivais da canção para contestar"

Luís Cília: "Depois de 1974, a chegada a Portugal foi uma festa"

José Barata-Moura: "Toda a canção é política mesmo quando o autor quer fugir disso"

Arnaldo Trindade: "Talvez um burguês"

►A PÁGINA DA REPORTAGEM ESPECIAL

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia