Crise na Venezuela

Oposição venezuelana denuncia rusga aos escritórios de Juan Guaidó

Luisa Gonzalez

Juan Guaidó encontra-se no estrangeiro.

A oposição venezuelana denunciou esta terça-feira que funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência (SEBIN, serviços de informação) e das Forças de Ações Especiais (FAES) estão a fazer uma rusga nos escritórios do presidente do parlamento, o opositor Juan Guaidó.

A rusga ocorre num momento em que Juan Guaidó se encontra no estrangeiro, desde domingo, dia em que viajou para a Colômbia para participar na III Cimeira Hemisférica de Luta contra o Terrorismo, partindo depois para o Reino Unido, onde se reuniu com o ministro dos Negócios Estrangeiros e o primeiro-ministro britânicos, Dominic Rennie Raab e Boris Johnson, respetivamente.

Segundo as deputadas opositoras Delsa Solórzano e Adriana Pichardo, a rusga começou pelas 16:00 locais (20:00 em Lisboa) na Torre Zurich em El Rosal (leste de Caracas), no local onde Juan Guaidó faz as suas conferências de imprensa, e prosseguia cerca de duas horas depois.

"Não há ninguém nos escritórios do presidente (do parlamento), Juan Guaidó. Qualquer procedimento está a ser feito sem autorização, sem testemunhas", disse Delsa Solórzano aos jornalistas.

Esta deputada alertou ainda que a rusga ocorre sem uma ordem emitida por um tribunal e que "é possível que [os funcionários do SEBIN] semeiem qualquer coisa".

A mulher de Juan Guaidó precisou, através da rede social Twitter, que na rusga participam "mais de 40 funcionários", do SEBIN e das FAES, "e de mais organismos da ditadura". Já a deputada Adriana Pichardo declarou aos jornalistas que vários políticos opositores vão permanecer no local para ver que "o que pretendem tirar".

Segundo a imprensa venezuelana, o líder opositor Juan Guaidó, afirmou, desde Londres, que se trata de "mais um atropelo da ditadura" venezuelana.

"Isto é o que faz a ditadura. Dói-lhes o que estamos a fazer, mas saibam que os derrotaremos porque estão sozinhos", salientou, numa alusão ao Governo liderado pelo Presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

Veja aqui as últimas notícias da Venezuela

Guaidó reeleito como presidente do Parlamento

Em 23 de janeiro de 2019, o presidente da Assembleia Nacional venezuelana, Juan Guaidó, jurou assumir as funções de presidente interino do país, até conseguir afastar Nicolás Maduro do poder, convocar um governo de transição e eleições livres na Venezuela.

No passado dia 5, vários deputados do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, o partido do Governo) e das forças políticas que apoiam Nicolás Maduro impediram o presidente do parlamento, o opositor Juan Guaidó, e uma centena de opositores de entrarem no palácio Federal Legislativo.

Com o bloqueio, os deputados do chavismo tentaram impedir a realização das eleições em que Juan Guaidó seria reeleito presidente do parlamento e realizaram uma votação que a oposição alega ser fraudulenta e ter sido efetuada sem quórum na qual Luís Eduardo Parra Rivero foi "eleito" para substituir o líder opositor. Durante o bloqueio, a maioria parlamentar opositora reelegeu Juan Guaidó como presidente do parlamento até finais de 2020.