Coronavírus

Setor das discotecas e bares aguarda regras para a reabertura em outubro 

Cerca de 60% das discotecas não vão voltar a abrir.  

Saiba mais...

Com o país prestes a entrar na última fase de desconfinamento, espera-se luz verde da parte do Governo para o levantamento da maioria das medidas de restrição.

Bares e discotecas foram dos negócios mais afetados pela pandemia, e agora aguardam com expetativa as regras para poderem reabrir as portas.

Segundo a Associação Nacional de Discotecas, estima-se que mais de metade dos espaços de diversão noturna não terão condições financeiras para reabrir.

O setor continua sem indicações de como irá ser este processo. Entre as principais dúvidas, está o limite na lotação e o funcionamento das pistas de dança.

"Podemos comparar uma pista de dança a um autocarro em hora de ponta. A diferença é muito pouca. Porque se me disserem que as pessoas para dançar têm de utilizar máscara, eu aceito perfeitamente essa condição. Portanto, nesse aspeto, a nível de lotação não faz sentido haver restrições", diz José Gouveia, da Associação Nacional de Discotecas.

De acordo com a associação, os espaços estão preparados para limitar a entrada a clientes que apresentem o certificado de vacinação ou que tenham um teste negativo à covid-19.

No entanto, há também quem tenha uma opinião diferente.

No setor da restauração, o avanço no processo de desconfinamento deveria significar o fim de algumas regras.

"Acabar com os certificados, porque não faz sentido nenhum. Só há certificados ao fim-de-semana e durante a semana não há. E o IVA. Acho que deviam diminuir o IVA durante uns tempos para nós conseguirmos equilibrar as nossas finanças", defende Sónia Neves, empresária de restauração.

Leia mais:

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia