Coronavírus

Especialistas falam em 4.ª vaga em Lisboa. Variante Delta é "60% mais contagiosa, não é uma brincadeira"

Investigadores pedem aceleração da vacinação na região. Hospitais estão a sentir o aumento do número de doentes. 

Saiba mais...

O primeiro-ministro garante que Lisboa vai recuar no desconfinamento, se os números assim o exigirem. Investigadores do Instituto Superior Técnico dizem que a região já entrou numa quarta vaga da pandemia.

O índice de transmissão na capital continua a aumentar, tal como o número de novos casos de covid-19 com a variante que apareceu há meses na Índia.

"Nós estamos convencidos que a variante Delta se vai tornar dominante em Lisboa muito rapidamente. O problema é que Lisboa, sendo a capital, estabelece contactos com todas as regiões, nomeadamente em período de lazer. Temos de ter o cuidado de controlar ao máximo o número de contactos porque estamos de facto numa quarta vaga", afirma o matemático do Instituto Superior Técnico (IST) Henrique Oliveira.

Para o grupo do IST que analisa a pandemia, é preciso acelerar a vacinação em Lisboa e Vale do Tejo e manter a região no mesmo nível de desconfinamento, pelo menos, mais um mês.

"É uma variante 60% mais contagiosa, não é uma brincadeira", afirma o mesmo especialista.

O primeiro-ministro diz que Lisboa recua, se continuar com números elevados. Quanto a um confinamento geral do país reafirma que não há divergências com o Presidente da República:

"Como é habitual o primeiro-ministro e o Presidente da República, estão totalmente sintonizados".

Hospitais sentem aumento de casos de covid-19

Há hospitais da Grande Lisboa que já estão a sentir o efeito do aumento de casos. Ainda assim bem longe do que aconteceu em fevereiro e março.

O Amadora Sintra, por exemplo, só tem uma cama livre na única unidade de Cuidados Intensivos que tem dedicada a doentes covid e na enfermaria da infeciologia tem mais de 80% das camas estão ocupadas.

No Centro Hospitalar Curry Cabral, há um mês havia 18 internados e agora são 40. São, na maioria, casos menos graves do que há três meses.

Esta quinta-feira, há reunião do Conselho de Ministros. Vai ser feita uma nova avaliação dos concelhos.