Coronavírus

Covid-19. Os três fatores essenciais para o desconfinamento

Entrevista SIC Notícias

Há três fatores essenciais a ter em conta num possível desconfinamento, defende o diretor da Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital de São João e Presidente do Colégio de Medicina Intensiva da Ordem dos Médicos, José Artur Paiva.

Saiba mais...

O primeiro fator a ter em conta é a transmissão viral na comunidade, que pode ser medida pelo número de novos casos diários e pela taxa de positividade de testes. Neste fator, os valores têm dado uma ideia de que já se pode desconfinar, explica o médico.

Porém, há mais dois parâmetros a ter em conta: a capacidade hospitalar e a criação de uma resposta de saúde pública que nos permita viver com o vírus de forma endémica.

Em relação à capacidade hospitalar, José Paiva considera imprescindível atingir a meta dos 200 - 250 doentes internados nas unidades de cuidados intensivos, tal como defende o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

"Na terceira semana de março estaremos com valores de 200-250 pessoas internadas em UCI", esclareceu o médico.

O terceiro fator é a criação de uma resposta saúde pública que nos permita conviver com o vírus de forma endémica, sem estarmos sempre entre a subida e a descida da curva.

Para isso, existem indicadores que devem ser monitorizados. José Artur Paiva salienta os seguintes: a capacidade de testagem, a capacidade de realizar rastreios, os avanços na campanha de vacinação e a identificação rápida de variantes.

"Este vírus já nos mostrou um grande capacidade mutacional, até superior à do vírus da gripe", alertou o diretor da Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital de São João.

Dentro de três semanas, os indicadores da capaciade hospitalar estarão dentro dos aconselhados para iniciar o desconfinamento. Mas, segundo o médico, é preciso robustez e, por isso, traça objetivos para o futuro: recuperar a atividade não covid, evitar uma quarta onda - "um up and down" - e entrar num relacionamento com vírus de endemia e convivência.

  • O bicho homem em quatro episódios

    Opinião

    Gostava muito de partilhar o otimismo de Attenborough e de Bregman. Mas depois há episódios como o da Superliga. Ou o das vacinas concentradas no hemisfério Norte. E a esperança esvai-se. Como as superfícies geladas do Ártico no verão.

    Cristina Figueiredo