Coronavírus

Covid-19. "É bom que toda a gente perceba que vamos ter de continuar a controlar a transmissão"

Entrevista SIC Notícias

Vasco Peixoto, médico investigador da Escola Nacional de Saúde Pública, em entrevista na Edição da Tarde.

Saiba mais...

Vasco Peixoto, médico investigador da Escola Nacional de Saúde Pública, salientou na SIC Notícias que ainda estamos numa fase inicial da vacinação contra a covid-19.

"É bom que toda a gente perceba que vamos ter de continuar a controlar a transmissão", afirmou.

Na Edição da Tarde, apelou a que sejam comunicadas informações sobre as metas que estão a ser atingidas com os grupos de risco. Disse ainda que devia haver mais previsões para as restantes pessoas que não estão na fase prioritária. O médico defende que essas previsões de vacinação podem "tranquilizar as pessoas".

O especialista considerou que é importante haver mensagens positivas sobre a prevenção individual, uma vez que "vamos ter de estar preparados quando as medidas começarem a reduzir". E salientou:

"Quando sairmos do confinamento entramos, como todo o mundo, outra vez numa corrida entre o aparecimento de novas variantes e a vacinação".

Questionado sobre o alargamento de testes a todos os contactos com infetados, Vasco Peixoto defendeu que é mais importante alargar a definição de "caso" para que as pessoas com combinações de sintomas, como dor de cabeça e dor de garganta, sejam testadas.

O médico foi mais longe: lembra que entre 20 a 30% das pessoas infetadas com covid-19 não têm tosse, febre nem perda de olfado, mas têm outros sintomas. "Devíamos pensar seriamente e alargar a testagem a outros sintomas", defendeu.

Sobre o portal da vacinação, afirma que é importante as pessoas conseguirem aceder ao site, "especialmente nesta fase em que o nosso critério combina idade com comorbidade".

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia