Coronavírus

Covid-19. "Quanto mais contacto com os humanos, maior a probabilidade de variantes"

Entrevista SIC Notícias

Roberto Medronho, professor catedrático de epidemiologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, em entrevista na Edição da Noite.

Saiba mais...

Roberto Medronho, professor catedrático de epidemiologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, explicou na Edição da Noite que quanto mais contacto o coronavírus tiver com os humanos, maior a probabilidade de haver variantes.

"É fundamental que, enquanto não houver vacinação em massa e imunidade de grupo, as medidas de confinamento sejam adotadas", afirmou.

Na Edição da Noite, explicou que as mutações do coronavírus são normais:

"Quando o coronavírus foi conhecido já tinha, em média, duas mutações por mês. É a evolução natural do virus".

No entanto, o especialista disse que as autoridades brasileiras estão "muito preocupadas" com a nova variante, que pode "enganar" o sistema imunológico.

"O que nos preocupa é a capacidade dessa mutação enganar o nosso sistema imunológico o os nossos anticorpos neutralizantes não conseguirem neutralizar. Se isso ocorrer, podemos ter um número muito grande de infetados", explicou.

Já são pelo menos três os casos detetados em laboratório da variante brasileira do novo coronavírus em Portugal, dois pela Unilabs e um outro pela Syn.Lab.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia