Coronavírus

Trump assina decreto para garantir que EUA têm acesso a vacinas antes da exportação

Andreia Melo

Andreia Melo

Jornalista

Presidente cessante teme que o país fique sem doses depois da primeira fase de vacinação.

Saiba mais...

A administração Trump comprou 200 milhões de vacinas contra a Covid-19 às farmacêuticas Pfizer/BioNTech e Moderna. Mas o ainda presidente teme que o número não seja suficiente para vacinar oa mais de 330 milhões de norte-americanos.

Assinou, por isso, uma ordem executiva para garantir que os cidadãos têm acesso às vacinas americanas antes destas serem exportadas. Caso as empresas não cumpram, Trump ameaça fazer uso da lei de produção de defesa, que obrigaria as farmacêuticas a antecipar a produção das vacinas.

Segundo o jornal New York Times, a Pfizer instou a administração Trump a comprar mais doses no verão, antes da eficácia da vacina ser conhecida. Na altura, o governo norte-americano não seguiu a recomendação.

Este fim de semana, terá tentado comprar mais 100 milhões de doses, mas sem sucesso.

A Pfizer diz que, por agora, já se comprometeu com outros compradores, mas que consegue garantir a entrega das doses em duas fases, entre julho e setembro do próximo ano.

A reguladora norte-americana dos medicamentos ainda não aprovou qualquer vacina contra a Covid-19, mas deverá dar luz verde à vacina da Pfizer nos próximos dias.