Coronavírus

Covid-19. "Se num grupo de 10 pessoas, 7 estiverem vacinadas, as outras não se infetam" 

Dulce Salzedas, jornalista da SIC, em análise na SIC Notícias explica a importância da imunidade de grupo.  

Especial Coronavírus

O Reino Unido vai começar a campanha de vacinação já na próxima semana. A agência britânica que regula os medicamentos concedeu autorização para o uso de emergência da vacina da Pfizer/BioNTech.

A jornalista Dulce Salzedas considera que esta pode ser uma vantagem para os restantes países, como Portugal, que podem aprender com o desenvolvimento da situação no Reino Unido.

Na SIC Notícias, fala na importância da imunidade de grupo e lembra que para lá chegar é preciso ter 70 a 80% da população imunizada.

"É um género de proteção solidária entre nós. Se num grupo de 10 pessoas, 7 estiverem vacinadas, as outras não se infetam"

"O que não sabemos é a imunidade que esta vacina nos vai dar. Ou seja, se será uma imunidade definitiva - parece que não - ou se teremos de tomar vacina todos os anos"

A jornalista da SIC especializada em saúde destaca o acordo da União Europeia em fazer chegar as vacinas ao mesmo tempo a todos os estados-membros. Esclarece também que as agências de medicamentos estão a aprovar as vacinas "tão cedo" porque têm recebido os relatórios preliminares das farmacêuticas. Ou seja, tem estado a acompanhar o processo.

Dulce Salzedas fala ainda no plano de vacinação de Portugal contra a covid-19, que vai ser apresentado esta quinta-feira, e lembra que a vacina não dará imediatamente imunidade às pessoas, nem haverá para toda a população.

"O que as pessoas têm de perceber é que quando são vacinadas, não é logo nos primeiros dias que ficam imunes"

  • Marcelo Rebelo de Sousa: aprender a perder para depois ganhar o país

    Presidenciais

    Marcelo Rebelo de Sousa foi um predestinado. Nasceu e cresceu à boleia da ditadura, mas a sua luta foi pela democracia. Parecia não alimentar a vontade de alcançar altos cargos políticos e chegou mesmo a invocar o nome de Deus em vão: "Nem que Cristo desça à Terra!", dizia Marcelo. Declarou também que dez anos como Presidente da República era muito tempo. Mas ei-lo de novo a contrariar-se e a seguir o caminho que já lhe vinha a ser apontado.

    Ana Luísa Monteiro

  • Obrigado!

    Desafios da Mente

    As pessoas que sentem mais gratidão apreciam, de forma mais geral, os aspetos positivos em si e no mundo. Este fator confere um papel-chave à gratidão na determinação da saúde mental, uma vez que a depressão traz uma visão negativa sobre o próprio, o mundo e o futuro. Pelo contrário, a gratidão pode formar uma tríade positiva que compreende visões positivas sobre o próprio, o mundo e o futuro (otimismo).