Coronavírus

Portugal dividido em quatro "cores de risco"

A partir de terça-feira, os 278 concelhos do continente passam a estar divididos em quatro escalões, conforme o risco de transmissão da Covid-19.

Especial Coronavírus

Com a esmagadora maioria dos portugueses em recolher obrigatório este fim de semana, o país prepara já a entrada em vigor de novas medidas a partir da meia noite de amanhã.

Passamos a ter um Portugal a quatro velocidades, mediante a gravidade do risco de contágio por Covid-19. A principal novidade é a manutenção das medidas aplicadas ao fim de semana para os concelhos de maior risco e também a proibição de circular entre concelhos nos dois fins de semana prolongados de dezembro.

O primeiro-ministro admite que o país possa ter de viver em estado de emergência durante, pelo menos, mais um mês para tentar controlar a pandemia.

As novas medidas no novo estado de emergência

Veja aqui o documento na íntegra

Costa anunciou que o uso de máscaras passará também a ser obrigatório nos locais de trabalho, excepto quando os postos são isolados ou quando haja separação física entre os trabalhadores. Até agora, o uso de máscaras era obrigatórias nas ruas - quando não era possível manter o distanciamento físico - e nos públicos fechados.

Nos próximos dois fins de semana, marcados pelos feriados à terça-feira que “convidam à existência de pontes”, estará proibida a circulação interconcelhia.

Costa anunciou ainda a realização de ações de fiscalização ao cumprimento do teletrabalho, uma vez que se tem verificado "um grande incumprimento" em casos em que este tipo de trabalho é possível.

Para diferenciar as medidas nos concelhos com maior risco de contágio por Covid-19, o Governo estipulou quatro níveis de risco. Até aqui, as medidas eram aplicadas a todos os municípios com mais de 240 casos por 100 mil habitantes registados nos 14 dias anteriores.

António Costa anunciou que dos 191 concelhos anteriormente contemplados na lista de risco elevado, há 15 que reduziram o número de contágios por 100 mil habitantes nos últimos 15 dias. Inicialmente o Governo tinha anunciado 17 autarquias a baixar para o nível moderado.

ESTADO DE EMERGÊNCIA PODERÁ PROLONGAR-SE ATÉ AO NATAL

O primeiro-ministro afirmou que ficaria "muito surpreendido" se não vigorar o estado de emergência no Natal, alegando que o conteúdo das medidas que estão a ser adotadas são menos intensas, mas com maior extensão temporal.