Coronavírus

Protestos em Itália. Violência nas manifestações contra as restrições 

Extrema-direita entrou em confrontos com a polícia.  

Especial Coronavírus

Centenas de manifestantes voltaram, esta terça-feira, à noite às ruas de Itália, para um protesto contra o recolher obrigatório e as restrições impostas pelo Governo para travar a segunda vaga da pandemia de covid-19 no país.

O que podia ter sido uma manifestação pacífica transformou Roma num palco de protestos violentos.

Comerciantes e pequenos empresários uniram-se contra o novo decreto do Governo, mas o protesto subiu de tom quando um grupo de extrema-direita se juntou e entrou em confronto com as autoridades.

O primeiro-ministro instou os cidadãos a respeitarem as novas medidas a fim de evitar um novo confinamento.

Covid-19: Itália atinge novo máximo com 21.994 casos nas últimas 24 horas

A Itália registou 21.994 infeções pelo novo coronavírus e 221 mortes atribuídos à covid-19 nas últimas 24 horas, um novo máximo de contágios desde o início da crise sanitária, segundo o boletim divulgado pelo Ministério da Saúde.

Este é o maior número de infeções registadas até agora, embora estejam a ser realizados muito mais testes do que no início da epidemia, em fevereiro, com 174.000 desde segunda-feira.

No último dia, 221 pessoas perderam a vida por causa do novo coronavírus, um número que não era observado desde meados de maio e que aumenta o total de óbitos em Itália para 37.700.

No país, 564.778 pessoas já foram infetadas desde o início da crise, a 21 de fevereiro, com o aparecimento dos primeiros casos autóctones.