Coronavírus

AstraZeneca e Johnson & Johnson anunciam retoma de testes de vacina contra a Covid-19

Os testes tinha sido interrompidos devido a complicações de saúde de voluntários.

Especial Coronavírus

Dois laboratórios farmacêuticos, a AstraZeneca e a Johnson & Johnson, anunciaram na sexta-feira que vão retomar os testes da vacina contra a covid-19 com os seus voluntários, segundo a agência Associated Press (AP).

Os testes da AstraZeneca foram interrompidos no início de setembro, enquanto os da Johnson & Johnson foram interrompidos no início da passada semana. Cada empresa teve um voluntário participante no estudo a desenvolver um problema sério de saúde, o que exigiu a revisão dos processos de segurança.

Estas duas tentativas de criar uma vacina estão entre várias candidatas ao teste final, o último passo antes de solicitarem a aprovação do regulador do setor.

Estes dois laboratórios divulgaram que tinham recebido na sexta-feira a autorização da agência federal de segurança dos alimentos e medicamentos (FDA, na sigla em Inglês) para prosseguir com os testes nos EUA.

Estas interrupções temporárias nos testes de medicamentos e vacinas são relativamente comuns. Em pesquisas com milhares de participantes, há a probabilidade de alguns ficarem doentes.

Suspender um estudo permite que os investigadores apurem se a doença é um efeito lateral ou uma coincidência.

Os testes da vacina da AstraZeneca, desenvolvida com a Universidade de Oxford, já recomeçaram no Reino Unido, Brasil, África do Sul e Japão.

O estudo da AstraZeneca envolve 30 mil pessoas nos EUA, com algumas a receberem o ensaio de vacina e outros um placebo.

Os testes foram interrompidos depois um participante britânico ter desenvolvido sintomas neurológicos severos, consistente com uma inflamação rara da espinal medula chamada mielite transversa.

A Johnson & Johnson anunciou, em comunicado, que vai reiniciar em breve o recrutamento nos EUA para o seu estudo da vacina.

Sem revelar a natureza da doença que o seu candidato desenvolveu, a empresa assegurou que "não se encontraram evidências que a candidata a vacina tenha causado o evento".

A Johnson & Johnson acrescentou que está em negociações com outras autoridades reguladoras para retomar os ensaios em outros países.

Vacina contra a covid-19. Pausas são "a melhor garantia de que os ensaios estão a ser feitos da forma correta"

As vacinas mais promissoras no combate à Covid-19

Laboratórios por todo o mundo estão numa corrida contra o tempo para desenvolver uma vacina contra o novo coronavírus. Há dezenas de equipas a testar várias candidatas a vacina, algumas estão mais avançadas e são promissoras, mas os cientistas avisam que nenhuma deverá estar pronta antes do fim deste ano ou mesmo no próximo ano.

Segundo o London School of Hygiene & Tropical Medicine, (que tem um gráfico que mostra o progresso das experiências) há 248 projetos e 49 estão na fase de ensaios clínicos, sendo que 10 estão na fase III - que consiste na inoculação da vacina em milhares de voluntários a fim de determinar se impede de facto a infeção.

O projeto entre a Universidade de Oxford e a AstraZeneca é um dos mais promissores, a que se juntam os da Pfizer e da BioNTech, da Moderna e de vários projetos chineses, nomeadamente da CanSinoBIO que já obteve autorização para administrar a vacina em militares chineses.

Plataforma global COVAX

O mecanismo COVAX é uma plataforma global para o desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19, apoiada pela Organização Mundial da Saúde, para um acesso equitativo às vacinas a preços acessíveis.

Participam vários países, instituições e organizações, como a União Europeia.

Mais de 1,1 milhões de mortos no mundo

A pandemia de covid-19 já fez mais de 1.139.406 de mortos e mais de 41.767.540 de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP às 11h00 de hoje.

Pelo menos 28.531.800 foram considerados curados.

Os países mais atingidos pela pandemia:

Os Estados Unidos são o país mais atingido, com 223.059 mortos e 8.411.259 casos.

No Brasil, morreram 155.900 pessoas e há 5.323.630 casos.

A Índia conta 117.306 mortos e 7.761.312 de casos.

O México regista 87.894 mortos e 874.171 casos.

O Reino Unido tem 44.347 mortos e 810.467 casos.

Mais 31 mortes e 2.899 casos de Covid-19 em Portugal

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou no boletim diário desta sexta-feira que há mais 31 mortes e 2.899 novos casos de Covid-19 em Portugal.

O número de mortes subiu de 2.245 para 2.276, mais 31 do que na quinta-feira, o número mais elevado de óbitos num só dia desde 24 de abril, quando foram anunciadas pela DGS 34 mortes.

O número de infetados subiu de 109.541 para 112.440, mais 2.899 em 24 horas.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global

  • 15,618

    Opinião

    É este o número oficial de árbitros e juízes federados que existem em Portugal, de acordo com a última informação disponível (de 2018).

    Duarte Gomes