Coronavírus

Portugal regista mais 3 mortes e 802 casos de covid-19

Rafael Marchante

DGS divulga os dados das últimas 24 horas.

Especial Coronavírus

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quarta-feira a existência de um total de 1.928 mortes e 70.465 casos de covid-19 em Portugal desde o início da pandemia.

O número de mortes subiu de 1.925 para 1.928 , mais 3 do que na terça-feira. O número de infetados aumentou de 69.663 para 70.465, mais 802.

Nas últimas 24 horas registaram-se mais 25 internamentos, aumentando para 571 o número de pessoas com covid-19 internadas nos hospitais, enquanto foi registado um aumento de 25 utentes nos cuidados intensivos, num total de 77.

De ontem para hoje recuperaram 316 doentes, pelo que 46.290 pessoas já superaram a infeção desde o início da pandemia em Portugal.

Terapia inovadora pretende eliminar o coronavírus em segundos

Um consórcio formado pela Universidade de Coimbra, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e duas empresas, uma portuguesa e outra canadiana, quer desenvolver uma terapia inovadora para eliminar "em poucos segundos" o vírus que provoca a covid-19, foi anunciado esta quarta-feira.

Investimento de 450 mil euros

Denominado FOTOVID, o projeto pretende eliminar o vírus SARS-CoV-2, responsável pela doença de covid-19, "logo na principal 'porta de entrada' no organismo, isto é, nas fossas nasais, usando a terapia fotodinâmica", afirma a Universidade de Coimbra (UC), numa nota enviada hoje à agência Lusa.

A investigação, que "acaba de obter 450 mil euros de financiamento" do Programa Operacional Centro 2020, reúne em consórcio a UC, através de equipas multidisciplinares das faculdades de Ciências e Tecnologia (FCTUC) e de Medicina (FMUC), o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e as empresas LaserLeap, de Coimbra, que coordena o projeto, e Ondine Biomedical (Canadá), líder mundial na fotodesinfeção antibacteriana.

Como funciona?

O FOTOVID assenta no "conhecimento recente de que o SARS-CoV-2 se associa a uma proteína preferencialmente presente nas cavidades nasais, onde se cria um reservatório de vírus responsável pela transmissão da doença e generalização da infeção", referem os responsáveis do consórcio.

Assim, "a inativação dos vírus presentes nas cavidades nasais nas fases iniciais da doença covid-19 poderá acelerar o tratamento, permitir que apenas se manifestem as formas mais benignas da doença e contribuir para impedir a propagação da pandemia".

Partindo de uma tecnologia de desinfeção nasal criada pela empresa canadiana parceira no projeto, que já é utilizada em todo mundo para eliminar bactérias multirresistentes, o consórcio vai desenvolver uma terapia inovadora capaz de matar vírus, em particular o coronavírus responsável pela covid-19.

A investigação será, assim, "muito mais rápida e, em caso de sucesso, a colocação no mercado será mais fácil e a custo reduzido", destaca a UC.

"Esta é a inovação do projeto, pois a tecnologia nunca foi aplicada na inativação de vírus", sublinha, citado pela UC, Luís Arnaut, um dos cientistas envolvidos na investigação.

"Estamos a propor um procedimento já com elevado grau de sofisticação, que já demonstrou ser eficaz na desinfeção de fossas nasais, mesmo para bactérias multirresistentes onde as alternativas terapêuticas existentes falham sempre, ou seja, tem sido possível fazer a inativação de bactérias multirresistentes com a terapia fotodinâmica", esclarece.

"Este elevado grau de sofisticação faz prever o maior sucesso da terapia para combater a covid-19", sustenta Luís Arnaut.

Na prática, sintetiza o catedrático da FCTUC, o consórcio propõe "um reposicionamento de moléculas", ou seja, recorre a uma terapia que "está a ser usada para destruir bactérias multirresistentes", reposicionando-a para matar vírus.

Testar a eficácia

Os primeiros testes terão início em outubro, na Faculdade de Medicina da UC, com amostras de vírus de doentes infetados por covid-19, fornecidas pelo CHUC.

Posteriormente, quando for comprovada a eficácia da inativação fotodinâmica do vírus, seguir-se-ão os ensaios clínicos (que serão coordenados pelos especialistas Manuel Santos Rosa e José Saraiva da Cunha) com doentes voluntários, previsivelmente no próximo ano.

A terapia fotodinâmica é um tratamento não invasivo, rápido (pode durar apenas alguns segundos) e de baixo custo.

Os responsáveis do projeto defendem que esta tecnologia tem como objetivo ser a primeira opção terapêutica, eliminando o vírus numa fase muito inicial e impedindo, deste modo, a evolução da doença para fases mais graves.

Esta é uma alternativa terapêutica, que consiste em atacar diretamente a porta de entrada do vírus no organismo, para reduzir a carga viral no sítio onde ela é mais crítica, sintetiza Luís Arnaut.

A tecnologia "é para ser aplicada numa fase inicial de tratamento, para evitar complicações posteriores, em ambulatório", concluiu.

IATA quer testes rápidos à covid-19 a passageiros antes de voarem

Links úteis

Mapa com os casos a nível global