Coronavírus

Cães pisteiros postos à prova no aeroporto de Helsínquia. Vão detetar quem tem covid-19

Lehtikuva Lehtikuva

Projeto arrancou esta quarta-feira.

Especial Coronavírus

O aeroporto da capital da Finlândia adota a partir desta quarta-feira um novo método, ainda experimental, para detetar passageiros infetados com o novo coronavírus: cães pisteiros. O programa piloto, a ter sucesso, poderá tornar-se um método de deteção utilizado em massa.

Múltiplos estudos indicam já que é possível treinar cães para identificarem, através do olfato, pessoas infetadas. Os investigadores alemães apontam mesmo que o método tem 94% de eficácia com apenas uma semana de treino.

No aeroporto de Helsínquia estão para já 16 cães que em apenas 10 segundos deverão ser capazes de identificar um infetado.

Lehtikuva Lehtikuva

A participação neste teste é voluntária e os passageiros que o quiserem fazer têm apenas de recolher uma amostra de suor do pescoço, depois “analisada” pelos cães. Todo o processo não deverá ultrapassar os 60 segundos.

Depois disso, os voluntários são encorajados e fazer também um teste “standard” para verificar a eficácia do resultado apontado pelos animais. Citado pela Forbes, o diretor do aeroporto, Ulla Lettijeff, diz que este é um programa “único” e “inédito”.

Anteriormente os cães pisteiros eram já utilizados para detetar outras infeções virais e bacterianas e até mesmo cancro.