Coronavírus

Covid-19: Portugal com mais 5 mortes e 849 infetados

Rafael Marchante / Reuters

DGS divulga os dados das últimas 24 horas.

Especial Coronavírus

A Direção-Geral da Saúde (DGS) informa no boletim deste sábado a existência de um total de 1.899 mortes e 68.025 casos de covid-19 em Portugal desde o início da pandemia.

O número de novos infetados pelo novo coronavíris é hoje em 849, o quinto pior dia no que diz registo ao aumento diário de casos de infeção desde o início da pandemia. Há ainda mais 493 doentes ativos face a ontem, de um total de 20.722.

Estão confirmadas 1.899 mortes devido à covid-19, mais cinco do que no último boletim epidemiológico de ontem. Quatro destas mortes foram registadas na região Norte e uma em Lisboa e Vale do Tejo. Do total de mortes, 1266 têm mais de 80 anos.

Até ao momento, conseguiram recuperar da doença 45.404 pessoas, 351 nas últimas 24 horas. Até agora, 68.025 pessoas já foram infetadas pela covid-19, mais 849 do que em relação a sexta-feira, número semelhante ao alcançado no início de abril, um mês depois de a pandemia ter entrado no país.

Lisboa e Vale do Tejo, região com mais novos casos


Dos 849 novos casos, 439 ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, 288 no Norte, 66 no Centro, 35 no Algarve e 16 no Alentejo.


Segundo o boletim, hoje registam-se mais 32 doentes internados e mais sete em cuidados intensivos. Sob vigilância, estão 39.388 pessoas, mais 667 por comparação a sexta-feira.


Ao todo, 68.025 pessoas já foram infetadas em Portugal e, destas, 20.722 encontram-se ativas e 45.404 recuperaram.


Dos infetados, 37.290 são mulheres e 30.725 são homens e encontram-se sobretudo entre os 20 e os 60 anos.

Portugal pode chegar aos mil casos de infeção por dia na próxima semana

Portugal poderá chegar aos mil novos casos diários de covid-19 já na próxima semana. Palavras do primeiro-ministro, que lembra no entanto que o país não pode voltar a parar.

António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa insistem que o combate à pandemia está nas mãos dos portugueses.

OS APELOS DE ANTÓNIO COSTA

António Costa convocou para esta sexta-feira uma reunião de urgência do gabinete de crise para o acompanhamento da evolução da Covid-19 em Portugal.

No final, o primeiro-ministro deixou vários apelos aos portugueses e também um alerta: "estamos a sofrer um forte crescimento de novos casos diariamente, a manter-se esta tendência seguramente na próxima semana chegaremos a 1.000 novos casos por dia".

O primeiro-ministro defende que "o controlo da pandemia depende da responsabilidade pessoal de cada um" e volta a insistir que nesta fase o país não pode voltar a parar.

"Temos de conseguir travar o crescimento da pandemia. (...) Não podemos parar o país como em março", disse o primeiro-ministro.

No final da reunião António Costa lembrou "cinco regras fundamentais" a cumprir para não voltar "a privar os alunos do acesso à escola", a restringir "as visitas aos lares" e "separar famílias como na Páscoa", quando o Natal chegar.

O uso da máscara, a higiene regular das mãos, respeitar a etiqueta respiratória, manter o afastamento físico adequado e utilizar a aplicação StayAway Covid são as cinco recomendações do primeiro-ministro.

Ritmo de contágios aumenta a velocidade preocupante na Europa