Coronavírus

Confirmado primeiro bebé infetado com coronavírus durante gravidez

Kim Kyung Hoon

Caso foi registado em França.

Especial Coronavírus

Uma equipa de médicos de França anunciou o primeiro caso comprovado de Covid-19 passado durante a gravidez. A mulher estava infetada com o novo coranavírus, que foi transmitido ao filho ainda no útero.

De acordo com o The Guardian, o menino recém-nascido desenvolveu uma inflamação no cérebro poucos dias após nascer, uma condição provocada depois de o vírus atravessar a placenta e estabelecer uma infeção antes do nascimento.

O bebé teve uma boa recuperação

O estudo de caso, publicado na Nature Communications, segue o nascimento de vários bebés com Covid-19, que os médicos suspeitam ter contraído o vírus no útero.

Até agora, os médicos não conseguiram descartar a possibilidade de os bebés terem sido infetados durante ou logo após o parto.

"Infelizmente, não há dúvida sobre a transmissão neste caso", disse Daniele De Luca, diretora médica de pediatria e cuidados intensivos neonatais do Hospital Antoine Béclère, em Paris.

“Os médicos devem estar cientes de que isso pode acontecer. Não é comum, isso é certo, mas pode acontecer e deve ser considerado".

A mãe - de 23 anos - foi internada no dia 24 de março com febre e tosse grave, após contrair o novo coronavírus no final do terceiro trimestre.

Três dias após a internamento, o bebé revelou sinais de sofrimento e os médicos realizaram uma cesariana de emergência com a mãe sob anestesia geral.

O bebé foi imediatamente isolado e os testes ao sangue e ao líquido extraído dos pulmões revelaram a infeção pelo novo coronavírus, mas descartaram outras infeções virais, bacterianas e fúngicas.

Testes mais extensos revelaram que o vírus se espalhou do sangue da mãe para a placenta, onde se replicou, causou inflamação e passou para o bebé.

Covid-19: 65 dias após o início dos sintomas apenas 16,7% dos doentes mantém altos níveis de anticorpos

O estudo, realizado por investigadores da universidade britânica King's College London, ainda não foi validado nem passou pelo crivo de outros investigadores, mas levanta várias questões na luta contra a Covid-19 e no desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo.

A investigação acompanhou 90 casos confirmados da doença e demonstrou que os níveis de anticorpos neutralizantes, capazes de destruir o SARS-CoV-2 atingem o pico médio cerca de três semanas após o início dos sintomas, mas pouco tempo depois perdem força e até podem desaparecer.

Segundo os exames de sangue, mesmo doentes com sintomas leves tiveram uma resposta imune ao vírus, mas geralmente menos do que nas formas mais graves.

VEJA MAIS NO ESPECIAL NOVO CORONAVÍRUS

As notícias mais recentes em https://sicnoticias.pt/ultimas