Coronavírus

Siza Vieira e o horizonte da retoma económica em 2022

Siza Vieira e o horizonte da retoma económica em 2022

Ana Geraldes

Ana Geraldes

Jornalista

Ministro diz que não pode garantir que não haverá despedimentos coletivos, mas não nas empresas que tiveram apoios do Estado

Especial Coronavírus

As previsões para a economia nacional não são boas. O ministro assume que era o que se esperava, quando o país sofreu uma "contração violentíssima na segunda quinzena de março e abril".

A atividade económica retoma, mas lentamente: "hesitante e moderada". Siza Vieira diz que não há que ter ilusões, será difícil.

"Nós vamos vendo o agravamento das perspetivas para este ano. Vamos continuando a manter a ideia, através de todas as projeções que acontecem, que 2022 será o ano em que retomaremos um nível de atividade económica como aquele que tivemos em 2019."

Assim espera o ministro que, na audição parlamentar, foi ainda questionado sobre a opção de intervir na Efacec e garantiu que o Estado ao ficar com a parte de Isabel dos Santos não está a assumir as dívidas da empresária angolana.

"Estamos a salvar uma empresa, não estamos a assumir passivos dos seus acionistas".

E repetiu a ideia "para que fique claro" que as dívidas "que a acionista contraiu ficam com ela", ainda que reconheça desde já que deverá ser difícil aos bancos recuperarem esses valores.