Coronavírus

Cientistas voltam a defender que coronavírus se transmite facilmente pelo ar 

FABRIZIO BENSCH

OMS diz que não há provas suficientes.

Especial Coronavírus

Um grupo de cientistas de vários países volta a defender que o novo coronavírus se transmite facilmente pelo ar.

Os 239 especialistas, que vão publicar o estudo numa revista científica na próxima semana, enviaram também uma carta à Organização Mundial de Saúde (OMS) onde afirmam que o vírus pode manter-se ativo em gotículas suspensas no ar em espaços fechados, com muitas pessoas e com pouca ventilação.

Os especialistas pedem à organização para rever as recomendações, não só do uso social de máscaras, que acreditam que possa a vir a ser necessário em locais fechados, mesmo com distanciamento social, como o uso de máscaras N95 pelos funcionários de saúde que tratam doentes Covid-19.

A OMS não nega que o vírus se possa espalhar pelo ar, mas diz que a pesquisa ainda não o provou inequivocamente. Em entrevista ao New York Times, a especialista Benedetta Allegranzi, da OMS, defende que as evidências são "pouco convincentes".

"Nos últimos meses, temos dito várias vezes que o contágio através do ar é uma possibilidade, mas esta não é suportada por evidências sólidas e claras."

Toby Melville

Falar emite gotículas que ficam no ar pelo menos oito minutos

Um estudo publicado em maio por investigadores da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, concluiu que o ato de falar emite gotículas tão pequenas que ficam suspensas no ar pelo menos durante oito minutos.

Esta conclusão pode explicar o grande número de casos de Covid-19 que surgem em espaços com uma circulação de ar limitada, como lares, escritórios, navios de cruzeiro ou outros espaços confinados.

Para perceber a quantidade de gotículas emitidas por alguém a falar, os investigadores utilizaram uma luz laser. Aos participantes foi pedido que dissessem algumas palavras para dentro de uma caixa de cartão, cujo interior foi iluminado por este laser.

No fim, os investigadores norte-americanos verificaram que são produzidas cerca de 2.600 gotículas pequenas no ato de falar. Falar mais alto gera uma maior quantidade e gotículas de maior dimensão.

POOL New

Espaços interiores devem ser "fortemente ventilados"

Em março, um cientista da Universidade de Coimbra (UC) defendeu que “os espaços interiores com ocupação humana devem ser fortemente ventilados, exclusivamente com ar novo”, para diminuir as concentrações do novo coronavírus caso haja contaminação por partículas em suspensão.

Segundo Manuel Gameiro da Silva, professor catedrático do Departamento de Engenharia Mecânica da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC, a qualidade do ar interior é crítica e devem ser tidos alguns cuidados enquanto se mantiver a crise pandémica.

No seu entender, “não devem ser realizadas reuniões presenciais” e, “quando se planeia uma saída para locais frequentados por outras pessoas, deve-se levar máscara e, se possível, viseira”.

Nacho Doce

MAIS SEIS MORTOS E 232 NOVOS CASOS EM PORTUGAL

Portugal regista esta segunda-feira mais seis óbitos por covid-19, em relação a domingo, e mais 232 casos de infeção confirmados, dos quais 195 na região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) hoje divulgados.

De acordo com o boletim epidemiológico diário, o total de óbitos por covid-19 desde o início da pandemia é agora de 1.620 e o total de casos confirmados é de 44.129.

Em termos percentuais, aumento do número de óbitos foi 0,4%, (passou de 1.614 para 1.620) e o aumento do número de infetados foi de 0,5%, (de 43.897 para 44.129).

COVID-19: MAIS DE 531 MIL MORTOS E MAIS DE 11,3 MILHÕES DE CASOS NO MUNDO

Pelo menos 531.789 pessoas morreram em todo o mundo devido à pandemia do novo coronavírus desde que surgiu, em dezembro, na China, segundo um balanço da agência France Presse.

Mais de 11.343.890 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados em 196 países e territórios, desde o início, dos quais 5.906.500 são dados como curados.