Coronavírus

OMS e Reino Unido otimistas com descoberta sobre dexametasona

A OMS elogiou o trabalho da Universidade de Oxford.

Especial Coronavírus

A descoberta feita em Oxford, sobre o uso da dexametasona em doentes graves com Covid 19, gerou ceticismo e alguns países vão aguardar pelos pormenores da investigação, mas tanto a OMS como o Reino Unido estão otimistas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considerou esta terça-feira que a utilização de dexametasona, medicamento da família dos esteroides, que reduziu significativamente a mortalidade em pacientes seriamente afetados pelo novo coronavírus é um "avanço científico" na luta contra a pandemia da Covid-19.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que este é o "primeiro tratamento comprovado que reduz a mortalidade em pacientes" que apenas conseguem respirar com recurso a um ventilador, citado pela agência France-Presse.