Coronavírus

Bolsas asiáticas com fortes quedas reforçam impacto negativo global

Athit Perawongmetha

A propagação do coronavírus, e a sua possível transformação numa ameaça global, preocupa os investidores uma vez que pode prejudicar o comércio e a indústria.

Especial Coronavírus

Os mercados de ações asiáticos caíram ainda mais hoje, traduzindo os receios causados pelo surto do coronavírus, aprofundando o impacto negativo global depois de Wall Street sofrer a sua maior queda num dia nos últimos nove anos.

A bolsa de Tóquio começou por cair mais de 3% e Xangai, Hong Kong e Seul caíram mais de 2%.

Os preços do petróleo caíram ainda mais com as expetativas de quebra na procura por parte da atividade industrial. Os investidores, confiantes de que a doença que surgiu na China estaria a ficar sob controlo, foram surpreendidos por surtos em Itália, Coreia do Sul e Irão.

Agora, temem que o vírus se esteja a transformar numa ameaça global que pode prejudicar o comércio e a indústria.

Em Wall Street, o índice S&P 500 de referência caiu 12% em relação à máxima histórica alcançada há uma semana.

Uma lista crescente de grandes empresas está emitir alertas sobre os resultados e a indicar que o encerramento de fábricas na China está a interromper as cadeias de fornecimento, para além de sublinharem que a proibição de viagens e outras medidas preventivas também estão a prejudicar o consumo chinês.

O Nikkei 225 de Tóquio caiu para 26.157,36, enquanto o Shanghai Composite Exchange perdeu 2,9%, para 2.904,92.

O Hang Seng de Hong Kong perdeu 2,3%, para 26.157,36.

O Kospi em Seul caiu 2,2%, para 2.007,89, e o S & P-ASX 200 de Sydney caiu 2,3%, para 6.502,6.

Os mercados da Nova Zelândia e do Sudeste Asiático também recuaram.

Veja também:

MAPA INTERATIVO MOSTRA EM TEMPO REAL OS PAÍSES AFETADOS PELO CORONAVÍRUS

A Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, criou, em conjunto com outras entidades, um mapa interativo que permite acompanhar a evolução do coronavírus no mundo.