Eleições Autárquicas

PAN vê habitação e alterações climáticas como principal problema no Seixal

A porta-voz do partido esteve, esta segunda-feira, em ação de campanha no concelho.

A porta-voz do PAN, Inês de Sousa Real, esteve na manhã desta segunda-feira no Seixal, numa ação de campanha com o candidato à autarquia, e partilhou as preocupações do partido a habitação e o impacto das alterações climáticas como principais problemas do concelho.

A subida do nível das águas é, em especial, uma das questões mais importantes para o partido.

"O município tem estado de costas voltadas para as preocupações ambientais. Por outro lado, há um grave problema habitacional aqui no concelho. Há uma ausência de respostas de arrendamento acessível, incluindo para os jovens", referiu Inês de Sousa Real.

A falta de emprego foi outro dos problemas referidos pela número um do PAN.

"Isto é, essencialmente, um concelho dormitório, em que as pessoas vão trabalhar para outros sítios. Não há respostas suficientes para as necessidades em termos de empregabilidade", disse.

As críticas do primeiro-ministro, António Costa, à Galp, não passaram despercebidas ao partido, e Inês de Sousa Real diz que o Governo deveria ter estado atento a duas questões.

"[O Governo] deveria ter acautelado, desde logo, junto da Galp, qual o destino dos trabalhadores, e que existia efetivamente uma solução alternativa, porque é um grave problema social que ali temos neste momento. E por outro a questão ambiental: o que é que a Galp vai fazer em termos de tratamento de resíduos que vão ali ser deixados?", referiu a líder do partido.

Inês de Sousa Real referiu, igualmente, o objetivo do partido na autarquia.

"Nas últimas eleições autárquicas, o PAN conseguiu eleger um deputado municipal. Este ano, o objetivo é maior: reforçar a presença na Assembleia Municipal e eleger, pelo menos, um vereador", citou.

O partido aproveitou ainda para reafirmar a necessidade de o país usar os fundos europeus para apostar na transição energética.

Veja também:

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia