Afeganistão

"A liberdade de expressão é aquilo que eu mais defendo, e [o Afeganistão] diz-me respeito”

Iryna Shev

Iryna Shev

Jornalista

Ilustradores de vários países usam as redes sociais para denunciar o que se passa no Afeganistão.

As imagens retratam o que se passa no Afeganistão. Artistas de todo o mundo têm partilhado ilustrações sobre o que se vive no país, com a chegada dos talibã. As obras que têm conseguido um maior alcance são de Shamsia Hassani, a primeira graffiter feminina afegã.

Os cartoons e ilustrações tentam chamar a atenção para a crise humanitária que se vive no Afeganistão. Vêm do Brasil, do Jordão, de França ou até de Portugal. A SIC falou com Marta Sofia Nunes e Vasco Gargalo, a propósito das suas ilustrações sobre o Afeganistão.

Os artistas que permanecem no Afeganistão enfrentam um futuro incerto. Da última vez que os talibã estiveram no poder – entre 1996 e 2001 – criar arte tornou-se num perigoso desafio: não se podia fazer música e várias estátuas e esculturas foram destruídas. Todas as representações da forma humana foram expressamente proibidas.

► VEJA MAIS:

  • 3:13
  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia