À conquista de Marte

A caminho de Marte: português chefia missão no deserto de Israel

Correspondente SIC

Astronautas vão passar um mês isolados.

Seis "astronautas" de várias nacionalidades, incluindo um português, vão passar um mês numa "base marciana" no deserto do Negev para simular como seres humanos poderão viver no planeta vermelho.

Os astronautas ficarão isolados durante um mês, sem contato direto com as suas famílias nem com o centro de controle. No coração do deserto do Negev, no sul de Israel, a geologia é a mais parecida a Marte no planeta Terra.

O comandante João Lousada, português, é um engenheiro do espaço que já participou em duas simulações parecidas na Áustria em 2015 e em Omãn em 2018.

Lousada foi escolhido entre centenas de candidatos para chefiar esta missão Amadee 20, uma simulação de viagem a Marte organizada em Israel pelo foro austríaco espacial e a agência espacial israelita.

Várias vezes por dia os astronautas saem do habitat e caminham no deserto. Não é uma missão fácil, as temperaturas no deserto podem alcançar os 45 graus durante o dia e de noite descem de forma drástica.

Vestir o fato espacial de astronauta demora três horas, e entre os seis astronautas há uma mulher alemã.

ESPECIAL À CONQUISTA DE MARTE