Economia

Défice desce de 5,8% para 4,5% em 2021. Dívida recua quase sete pontos

“Buraco” entre despesas e receitas públicas é de para €9.534 milhões face aos €9.132 milhões inicialmente previstos para este ano

O Ministério das Finanças prevê que o ano de 2021 feche com um défice entre receitas e despesas públicas de 4,5% do PIB e uma dívida pública de 128% do PIB.

Em 2020, o défice apurado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) foi de 5,8% do PIB. A dívida pública compilada pelo Banco de Portugal disparou aos 135,2% do PIB na sequência da crise pandémica.

Os dados constam do procedimento dos défices excessivos divulgado esta quinta-feira pelo INE. Estes dados devem ser submetidos semestralmente a Bruxelas para monitorização das finanças públicas nacionais.

Há seis meses, o anterior reporte dos défices excessivos apontava para um défice de 4,3% do PIB e uma dívida pública de 130,9% do PIB, em linha com o cenário macroeconómico e orçamental incluído na proposta do Orçamento do Estado para 2021.

Posteriormente, o Programa de Estabilidade do ministério das Finanças agravou a previsão do défice de 2021 para 4,5% do PIB, dado o “confinamento mais severo e duradouro” no primeiro trimestre, que originou uma “revisão em baixa do cenário macroeconómico e a necessidades de maiores apoios às empresas e às famílias”. Já a dívida pública foi revista para 128% do PIB.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia