Economia

Portugal com excedente de 256 milhões de euros até julho graças a reembolso da troika

Para a economia portuguesa atingir o excedente de 256 milhões de euros foi crucial o pagamento de 1.100 milhões de euros do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira. Saldo da balança comercial diminuiu face aos primeiros sete meses do ano passado, com as importações a cresceram mais que as exportações

Entre janeiro e julho deste ano Portugal registou um excedente externo de 256 milhões de euros, segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal (BdP). Em 2020 Portugal só atingiu o excedente em outubro e em 2019 foi também no mês de julho, mas este ano foi o reembolso da "troika" que ajudou o país a chegar ao saldo positivo.

Este valor representa mais 1.231 milhões de euros do que nos primeiros sete meses de 2020, altura altamente marcada pela covid-19. Mas é também superior ao excedente de 2019 no mesmo período (108,82 milhões de euros).

Para a economia portuguesa atingir este excedente foi crucial o pagamento de 1.100 milhões de euros do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira, "provenientes da devolução da margem financeira retida em 2011 no âmbito do Programa de Assistência Económica e Financeira a Portugal [conhecido como período da "troika"]".

Se não fosse este pagamento, Portugal não teria atingindo o excedente já em julho. Apesar do montante de remessas de emigrantes recebido ter aumentado 22 milhões de euros relativamente a julho de 2020 (para 367 milhões de euros), o saldo da balança comercial (saldo conjunto da balança de bens e da balança de serviços) diminuiu face aos primeiros sete meses do ano passado, com as importações a cresceram mais que as exportações.

Mais precisamente, as exportações e importações de bens cresceram 13% e 23,9%, respetivamente (superando os valores pré-covid) e as exportações e importações de serviços aumentaram 28% e 26,7%. O BdP destaca o aumento das exportações de viagens e turismo (45,6%), apesar de permanecerem abaixo dos níveis pré-pandemia.