Desporto

Presidente demissionário do FC Barcelona detido no caso "Barçagate"

Autoridades policiais realizaram buscas nas instalações do clube a menos de uma semana das eleições para os órgãos sociais.

O FC Barcelona garante total colaboração com as autoridades catalãs após as buscas realizadas nas instalações do clube. Em causa está o processo “Barçagate” onde é investigada uma alegada campanha de difamação contra opositores da anterior direção e contra figuras ligadas ao clube. Quatro pessoas foram já detidas, incluindo o presidente demissionário Josep Maria Bartomeu.

A menos de uma semana das eleições para os órgãos sociais do clube, o processo “Barçagate” ganhou novos contornos. A meio da manhã desta segunda-feira, os agentes de investigação entraram nas instalações do Barcelona e procuraram provas do relacionamento do cumbe com a empresa externa “i3 Ventures”.

Em comunicado, o Barça garante que colaborou com a justiça e entregou todos os documentos requeridos. Uma das primeiras consequências foi a detenção do presidente demissionário e outros três dirigentes do clube.

A “i3 Ventures” é suspeita de ter sido responsável por denegrir a imagem pública de jogadores da equipa, como Lionel Messi ou Gerard Pique, e ex-treinadores, como Xavi Hernández, Carles Puyol ou Pep Gaurdiola. Há ainda suspeitas de desacreditação de personalidades ligadas ao Barcelona e de opositores da direção.

Segundo o El Mundo, que teve acesso ao relatório da investigação, a empresa aterá sido contratada por um milhão de euros – um valor seis vezes superior às práticas normais nestes casos. O relatório revela ainda que o valor terá sido dividido em várias parcelas, nunca superiores a 200 mil euros evitar a supervisão por parte do órgão competente dentro do clube.