Cultura

Vígilia por Halyna Hutchins juntou dezenas de profissionais da indústria cinematográfica norte-americana

O marido da diretora de fotografia que Alec Baldwin matou acidentalmente também quebrou o silêncio. A equipa de filme de Baldwin já se tinha queixado de falta de segurança.

Na noite de sábado, dezenas de pessoas juntaram-se numa vigíla no Novo México em memória da diretora de fotografia que o ator Alec Baldwin matou acidentalmente a tiro durante a rodagem de um filme.

Foram acesas velas para prestar homenagem a Halyna Hutchins, a responsável pela imagem do filme, com 42 anos.

No mesmo sítio foi montado um mural onde se lia "segurança no set", uma reivindicação dos profissionais da produção na qual Alec Baldwin trabalhava.

O marido de Halyna Hutchins também quebrou o silêncio. Foi na rede social, Twitter que Matt Hutchins prestou homenagem à mulher. Escreveu que a paixão e visão de Halyna inspiraram todos e que não há palavras para descrever a importância do seu legado.

Este não foi o primeiro disparo com uma arma carregada durante as filmagens do filme Rust. Alguns membros da equipa técnica afirmaram ao Los Angeles Times que outros dois disparos acidentais já tinham acontecido durante esta rodagem.

No dia em que Halyna Hutchins morreu, seis técnicos tinham abandonado o projeto alegando falta de segurança.

Alec Baldwin, de 63 anos, está a colaborar com as autoridades. Ao que tudo indica não será acusado por se tratar de um acidente.