Cultura

Sessão de Cinema: “Cenas da Vida Conjugal”

Opinião

Erland Josephson e Liv Ullmann: memórias do cinema de Ingmar Bergman, com data de 1974

O original de “Cenas da Vida Conjugal” tem assinatura de Ingmar Bergman: a viagem íntima através de um casamento é protagonizada por Liv Ullmann e Erland Josephson.

Numa altura em que foi lançada uma nova versão de “Cenas da Vida Conjugal”, agora em língua inglesa, com Jessica Chastain e Oscar Isaac, vale a pena descobrir ou reencontrar o original. Que é como quem diz: o filme que Ingmar Bergman lançou em 1974, protagonizado por Liv Ullmann e Erland Josephson [video].

Estamos perante uma extraordinária derivação de uma temática obviamente central no universo bergmaniano. Podemos defini-la a partir de uma incontornável interrogação: como funciona um par homem/mulher? Ou ainda: até que ponto o universo conjugal é um espaço de revelação mútua ou pode ser assombrado por um jogo de silêncios e ocultações?

Afinal de contas, através dos sempre admiráveis intérpretes de Bergman, “Cenas da Vida Conjugal” prolonga muitos retratos intimistas da sua filmografia, com especial destaque para aqueles que dirigira em finais da década de 60: “A Hora do Lobo” (1968), “A Vergonha” (1968) e “A Paixão” (1969).

Sem esquecer que estamos também perante um exemplo modelar da agilidade criativa do mestre sueco face à evolução dos meios audiovisuais. Na verdade, Bergman nunca se refugiou numa oposição maniqueísta entre “cinema” e “televisão”. Bem pelo contrário: mostrou sempre grande disponibilidade para pensar as suas diferenças e também as suas possíveis articulações. Dito de outro modo: “Cenas da Vida Conjugal” começou por existir em formato de série para televisão (em 1973), para depois ser lançado, como filme, nas salas de todo o mundo.

HBO

https://www.youtube.com/watch?v=HYTWuIMoT18

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia